segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Grupo de Haddad atribui a Gleisi estratégia de tentar adiar troca na chapa e quer decisão nesta segunda


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Aliados do candidato a vice-presidente na chapa do PT, Fernando Haddad, atribuem ao grupo da presidente do partido, Gleisi Hoffmann, a estratégia jurídica da legenda de pedir mais tempo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para trocar a cabeça de chapa à Presidência da República, atualmente ocupada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na noite deste domingo (9), a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, negou pedido dos advogados do ex-presidente para prorrogar o prazo para o PT substituir o candidato à Presidência da República.

Leia também: 

Para o grupo de Haddad, Gleisi queria arrastar a decisão com a expectativa de que o ex-presidente pudesse trocar o nome de Haddad pelo seu ou, até, pelo de Jaques Wagner, que foi a primeira opção de Lula, mas rejeitou o convite.

Diante da disputa interna no PT, Haddad quer sair nesta segunda-feira (10) de Curitiba, após visitar Lula na prisão, com uma carta do ex-presidente o indicando como o candidato oficial e Manuela D' Ávila, a vice.

Uma das principais alas do PT rejeita Haddad por compará-lo com a ex-presidente Dilma Rousseff, considerada uma escolha errada de Lula para candidatura à Presidência.

Estrategistas do ex-prefeito de São Paulo admitem, reservadamente a aliados, que um dos principais problemas da campanha Haddad será defender a gestão Dilma e que, quando assumir a cabeça de chapa, terá de fazer críticas mais contundentes à ex-presidente se quiser convencer o mercado de que o PT não irá adotar a mesma política econômica da ex-presidente.

Mas o discurso é só para caso de Haddad virar a cabeça de chapa do PT à Presidência, o que ele espera que ocorrerá nesta segunda com aval de Lula e, na terça-feira (11), com um ato de campanha.

A candidatura de Lula foi alvo de 16 impugnações (contestações) e, na madrugada de sábado (1º), o TSE rejeitou pedido de registro do ex-presidente, com base na Lei da Ficha Limpa. A lei proíbe candidaturas de políticos condenados em órgão colegiado da Justiça.

Lula foi condenado em janeiro, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex em Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato. Desde abril, ele cumpre pena de 12 anos e 1 mês de prisão em Curitiba.

Veja também:





Andréia Sadi
Blog da Andréia Sadi
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...