terça-feira, 16 de outubro de 2018

'Vamos, em Goiás, todos votar no Bolsonaro. Após as coisas que aconteceram nesses 13 anos de governo petista, temos a chance de resgatar o processo democrático', diz Caiado


Imagem: Jane de Araújo / Agência Senado
Governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), diz que o possível futuro ministério de Jair Bolsonaro  (PSL) não pode “ter fanfarrões”. “A formação do governo será o grande desafio. Ele deve obedecer aos critérios de competência e honestidade”, afirma, pouco depois de se encontrar com o presidenciável.


A seguir, trechos da entrevista, concedida por telefone ao jornal O Estado de S. Paulo:

Caminhamos para um segundo turno com o país conflagrado. Qual o seu papel, como governador eleito?
A sociedade nos deu uma mensagem de esperança. Eu sei o que é cobrado pela sociedade. Ela se cansou, esse ciclo chegou ao fim. Vamos, em Goiás, todos votar no Bolsonaro. Ele precisa ter independência para construir seu governo. Ninguém é obrigado a ser especialista em todas as áreas. É preciso escolher o ministério com base em critérios de honestidade e competência. Não pode ter fanfarrão. A formação do governo é o grande desafio. 

Leia também: 

Mas qual o seu papel?
Após as coisas que aconteceram nesses 13 anos de governo petista, temos a chance de resgatar o processo democrático. Isso só pode ser feito por alguém com apoio da população, sem nada que extrapole um milímetro as regras democráticas. Eu sempre exerci meus mandatos dentro de regras claras. Sempre me submeti ao resultado de todas as eleições. Temos de ter responsabilidade para desativar esse clima belicoso. Vamos fazer debates em busca do consenso.

Como o senhor interpreta a votação do PSL no País?
Eles (PSL) vão ter de se reciclar. Eles (eleitores) não votaram no PSL, votaram para dar governabilidade, na chapa que estava com Bolsonaro para dar governabilidade. Isso demonstra uma grande politização. Essa votação é importante para o governo.

Lula e outros políticos importante estão presos. Como a política tradicional pode enfrentar essa onda antipolítica? A prisão de Lula deve ser tratada no próximo governo?
Eu defendi a tese de que o ideal era bater em Lula na eleição. Ele não pode ser um mito para a próxima geração, um cidadão que praticou o que ele praticou. Ele é danoso como exemplo. Essa política tradicional tem de entender que esse ciclo acabou. Não tem como continuar desse jeito, com o uso da máquina, usar a política para se beneficiar dela. Esse sistema tem de acabar.

Quais foram os erros cometidos pelos partidos tradicionais que contribuíram para essa situação?
Tivemos a cultura da inflação no passado e hoje tínhamos a cultura de que a eleição no País só ganhava quem tinha dinheiro. O PT ganhou em 2002 para desmistificar isso e também se enredou. Hoje, é página virada. O objetivo dos partidos era fazer caixa 2 para favorecer suas bancadas. Essas práticas que devem acabar. Essa campanha já foi mais barata do que outras.

Muitos Estados estão falidos, outros atrasam os salários de seus funcionários. Como resolver a crise dos Estados? 
Primeiro tem de dar o exemplo, com o corte substancial das despesas do Estado, para não enfiar a mão no bolso do contribuinte sem contrapartida. Devemos priorizar a reforma do Estado antes da reforma da Previdência. A população não aceitará gastos abusivos com a máquina pública. Será necessário enxugar o custo do Estado.

Veja também:




Marcelo Godoy
O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...