sábado, 3 de novembro de 2018

Procurador 'dá aula' para 'especialistas' que dizem que policiais não têm direito de atirar ao verem traficantes com fuzil


Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O procurador Marcelo Rocha Monteiro, que é também professor de Processo Penal da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, publicou, no Diário do Poder, um artigo intitulado “Adeus aos ‘especialistas’”, critica os chamados “especialistas” sempre consultados pela grande mídia, que invariavelmente confirmam a posição defendida pelas emissoras. 


Ouça o artigo de Marcelo Rocha Monteiro: 


Leia abaixo o texto do procurador:


O Globo de hoje (quarta, 31) repercute, na primeira página, a entrevista dada pelo governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, à GloboNews, com destaque para a anunciada intenção de orientar “snipers” a abaterem bandidos armados de fuzil.
O jornal traz as opiniões contrárias dos “especialistas” e ONGs de sempre – aqueles mesmos que costumam dizer que “o Brasil prende demais”, “prender não resolve”, “a causa da criminalidade é a pobreza”, “precisamos de mais penas alternativas”, “a guerra ao tráfico é um equívoco”, enfim, o “pacote completo” da impunidade.
Leia também: 
João Doria e Wilson Witzel mandam recado para o Brasil: 'Bandido não vai mais sambar na cara da polícia'; veja vídeo
Bolsonaro vai a barbearia e é surpreendido por multidão de apoiadores na saída; assista ao vídeo
Delegado Waldir pisoteia petistas e comunistas no Congresso: 'Bolsonaro desafiou o sistema e venceu porque o povo não aceita mais corrupção!'
Deputados petistas são humilhados no Congresso: 'Vocês apoiam ditaduras sanguinárias, como a Venezuela, e agora vêm falar de democracia?'; assista ao vídeo
Cidadãos homenageiam Luciano Hang, dono da Havan, por sua luta em prol de Bolsonaro e do Brasil; assista
Em entrevista a TVs internacionais, Magno Malta expõe como Lula saqueou o Estado e defende Bolsonaro; assista


Um professor afirma que “o abate de uma pessoa de fuzil só seria possível numa situação de guerra”, mostrando assim sua extraordinária incapacidade de entender que situação de guerra é exatamente o que vivem as diversas comunidades dominadas por facções criminosas fortemente armadas. Ontem, em plena luz do dia, imagens aéreas mostravam diversos traficantes caminhando tranquilamente pela Cidade de Deus – comunidade bem próxima da Barra da Tijuca.
Outra “especialista”, uma antropóloga, nos ilumina com a “informação” de que “não há base legal, polícia não pode atirar primeiro E PERGUNTAR DEPOIS”.
Perguntar o quê, minha senhora? Em quem o traficante votou no segundo turno?
Um terceiro “especialista” diz que “sniper” se usa “quando há domínio de terreno”; o que ele não consegue entender é justamente que, sem a neutralização dos criminosos armados de fuzis, jamais o Estado conseguirá retomar o domínio dessas áreas.
Para arrematar, a seção brasileira da Anistia Internacional, dando sequência ao que tem sido, no Brasil, uma atuação constrangedora para a boa reputação mundial dessa ONG, afirma que “o abate de criminosos de fuzil afronta a legislação brasileira”.
Não, não afronta. O artigo 25 do Código Penal autoriza o uso de força para repelir agressão atual ou iminente a direito próprio ou de terceiro. Fala-se em agressão atual quando ela já está acontecendo (o criminoso já está atirando, por exemplo). Fala-se em agressão iminente quando a conduta do criminoso representa uma ameaça a pessoas inocentes.
Se “especialistas” e ONGs entendem que traficantes armados de fuzis, em locais dominados por facções criminosas de altíssima periculosidade, NÃO constituem ameaça à vida de moradores e transeuntes, o problema não é de forma alguma de “afronta à legislação”.
O problema é de afronta à nossa inteligência.
 Veja também: 






Gazeta Social
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...