sábado, 5 de abril de 2014

Balança comercial em março tem pior superávit para o mês desde 2001


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O tímido superavit comercial registrado no mês passado, de apenas US$ 112 milhões, fez com que o Brasil fechasse o primeiro trimestre do ano com saldo negativo recorde na balança comercial. 

De janeiro a março, as importações superaram as exportações em US$ 6,1 bilhões, maior deficit já registrado desde o início dos registros, em 1994, informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 

Embora os dados sejam nominais -não considerem o efeito da inflação-, eles reforçam as evidências de fraqueza no comércio exterior do país. O rombo acumulado neste ano supera em 17% o verificado nos três primeiros meses do ano passado, quando o saldo negativo de US$ 5,2 bilhões já fora recorde. 

Leia também: 

No trimestre, as exportações sofreram queda real média diária de 4,1% frente ao mesmo período do ano passado, enquanto as importações caíram 2,1%. 

O número de 2013 embute ainda uma distorção, já que contabiliza US$ 2,6 bilhões de importações da Petrobras que haviam sido feitas, na verdade, em 2012. 

Ainda assim, o governo aposta em superávit comercial ao final de 2014. Segundo o Mdic, a virada no resultado poderá ser percebida no segundo semestre diante da melhora na produção nacional de petróleo e do arrefecimento da compra de eletroeletrônicos importados, cuja demanda cresceu por conta da Copa do Mundo. 

SUPERAVIT EM MARÇO 

Apesar de interromper dois meses consecutivos de deficit, o resultado positivo de março não animou: trata-se do saldo mais baixo para o mês desde 2001. 

Imagem: Folhapress
O resultado se deveu à forte alta das vendas de soja, de 73% na comparação com março de 2013. Foram US$ 3,1 bilhões, o que representou 17% de toda a pauta exportadora do país em março. 

"A China está impulsionando esse crescimento. Estão altamente demandantes de soja", afirmou Roberto Dantas, diretor do Deax (Departamento de Estatísticas e Apoio ao Comércio Exterior). 

O país aumentou em 22,8% as compras de produtos brasileiros de janeiro a março. 

Tal expansão compensou a queda expressiva nas vendas para o mercado europeu, de 13,5%, maior perda percentual. A retração superou até mesmo a queda de 10,9% das exportações para a Argentina, que vive aguda crise financeira. 

O deficit comercial com o bloco chegou a US$ 2,7 bilhões no primeiro trimestre, alta de 50% sobre o mesmo período de 2013. 

Renata Agostini 
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...