sexta-feira, 25 de abril de 2014

Petrobras diz que é normal sacar R$ 10 milhões sem registro contábil


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A Petrobras afirmou ontem que considera "normal" um saque de US$ 10 milhões feito em 2010 em uma conta da refinaria de Pasadena em uma corretora. O valor foi retirado apenas com base em uma autorização verbal, sem registro contábil.

A realização do saque foi revelada pelo jornal "O Globo", na edição de ontem, com base em relatório de auditoria feita pela empresa em 2011, ao qual a publicação teve acesso.
O documento relatava "falta de autorização documental para saque em corretora". A retirada teria ocorrido em 5 de fevereiro de 2010.


Naquele período, a Astra ainda era sócia da Petrobras, a quem vendeu 50% da refinaria em 2006. Os sócios estavam em disputa judicial havia oito meses, mas os representantes da empresa belga já tinham deixado o dia a dia de Pasadena.

Segundo a reportagem, o documento não traz os nomes de quem autorizou e de quem realizou o saque, ou qual foi o destino do dinheiro. O valor estava depositado na corretora MP Global, que entrou em falência em 2011.

Leia também:

A auditoria, segundo "O Globo", foi realizada pela Gerência de Auditoria de Abastecimento, para verificar a gestão dos combustíveis produzidos e comercializados. De acordo com a reportagem, foi detectada ainda diferença de US$ 2 milhões no estoque em maio de 2010, devido a lançamento incorreto.

A auditoria teria apontado, ainda, operações simultâneas de entrada e saída de combustíveis nos tanques, dificultando o controle, e falta de integração entre sistemas financeiro e de estoque.

Ao ser procurada pela Folha de S. Paulo para falar do caso, a Petrobras emitiu nota em que diz considerar "normal" o saque autorizado verbalmente, por ser "uma atividade usual de trading (comercialização de combustíveis)". "Não foram constatadas quaisquer irregularidades no saque."

Apesar disso, a empresa diz que "foi acatada a recomendação de formalizar e arquivar a documentação de suporte relativa aos saques efetuados em contas mantidas em corretoras".
Em relação a estoques, a Petrobras diz estar providenciando a resolução dos problemas apontados.

Há duas semanas, em depoimento ao Senado, a presidente da Petrobras, Graça Foster, disse que a compra de Pasadena, entre 2006 e 2012, "não foi um bom negócio".

Veja também:

A aquisição custou, no total, US$ 1,25 bilhão à Petrobras. O grupo belga CNP, dono da Astra, divulgou, em 2005, ter pago US$ 42,5 milhões pela refinaria. A Petrobras contesta o valor. Diz que a Astra pagou US$ 360 milhões, considerando investimentos e estoques.

O negócio é investigado pelo TCU (Tribunal de Contas da União), pela CGU (Controladoria Geral da União), pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal e por auditoria interna. Também deverá ser alvo preferencial da CPI da Petrobras no Senado.

Em março, a presidente Dilma Rousseff alegou ter se baseado em um documento "falho" como justificativa para ter aprovado a compra da refinaria, em 2006, quando presidia o conselho de administração da Petrobras.

Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...