segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Acostumado a luxo, Eike pode dividir cela com ratos e morcegos


Imagem: Ueslei Marcelino / Reuters
Acusado de pagar propina ao ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, Eike Batista foi preso na manhã desta segunda-feira (30) ao desembarcar no Rio de Janeiro.

Ele estava em Nova York e era considerado foragido desde a última quinta (26), quando teve a prisão preventiva decretada no âmbito da Lava Jato.


Acostumado a viver entre mansões, jatinhos e iates particulares Eike, que já ocupou o posto de homem mais rico do Brasil e oitavo do mundo, enfrentará uma nova realidade privada de luxo.

Leia também: 
Delação causa rompimento entre Marcelo e Emílio Odebrecht
Cármen Lucia acaba de homologar as 77 delações da Odebrecht

O empresário ficará detido no presídio Ary Franco, na zona Norte do Rio de Janeiro, para onde são encaminhados criminosos que atentam contra o sistema federal e não têm curso superior.

A prisão abriga mais do que o dobro de detentos do que deveria e é infestada de ratos, morcegos e insetos, como descreveu Chico Otávio em reportagem publicada no jornal O Globo no ano passado.

O jornalista classificou o complexo de 70 celas, a maioria subterrâneas, como “claustrofóbico, fétido e asfixiante” e chegou a chamá-lo de “a pior prisão do Rio de Janeiro”.

Ainda não se sabe se Eike ficará em uma área de detenção comum ou especial. Em entrevista a jornalistas na porta da penitenciária, o advogado do empresário, Fernando Martins, disse que a prioridade agora é preservar sua integridade física.

Histórico

Eike é investigado na Operação Eficiência por corrupção ativa. Ele teria transferido 16,5 milhões de dólares ao ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral por meio de uma conta no Panamá.

O político, detido desde novembro, é acusado de comandar uma organização criminosa que já lavou mais de 100 milhões dólares no exterior, segundo o Ministério Público Federal e a Polícia Federal.

O dinheiro teria sido desviado de obras públicas feitas no estado durante a gestão de Cabral.

Os investigadores ainda não sabem dizer qual a contrapartida recebida pelo empresário pela suposta propina, mas defendem que sua prisão se justifica pelo fato de ele usar falsos negócios para forjar a legalidade de dinheiro lavado e, assim, “escamotear a verdade” dos órgãos públicos.

Para maquiar o montante pago a Cabral, ele teria criado um contrato de fachada para a intermediação de compra e venda de uma mina de ouro que nunca aconteceu.

Veja também: 


 
 

Luísa Melo
Exame
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...