quarta-feira, 4 de julho de 2018

Executivo condenado no mesmo processo que Dirceu pede ao STF para ser solto


Imagem: Divulgação
O ex-vice-presidente da construtora Engevix Gerson Almada pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma extensão da decisão que soltou o ex-ministro José Dirceu.

Condenado junto com o petista na Operação Lava Jato, Almada pegou de 29 anos de prisão por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Foi considerado culpado por formação de cartel com outras construtoras junto à Petrobras, direcionando parte da propina ao grupo do ex-ministro.

No pedido feito ao STF, a defesa diz que ele teve a pena indevidamente aumentada no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), mesmo argumento usado pelos advogados de Dirceu para obter a soltura pelo STF na semana passada.

Leia também: 

Ao propor a soltura de Dirceu, o ministro Dias Toffoli considerou haver “plausibilidade jurídica” no recurso apresentado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) em relação ao tamanho da pena. A defesa de Almada também apontou supostas irregularidades para escapar do regime fechado.

“Pela utilização de critérios jurídicos e matemáticos equivocados, certo é que tais ilegalidades implicam em variação de pena apta a interferir no regime inicial de cumprimento da reprimenda do peticionário que, no momento, é o mais gravoso”, diz o pedido.

O pedido foi enviado ao ministro Dias Toffoli, mas a decisão poderá ficar com a presidente da Corte, Cármen Lúcia, que está no plantão do STF durante o recesso de julho.

Veja também:





Renan Ramalho
G1
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...