sábado, 15 de setembro de 2018

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.

O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.

Leia também: 
Advogado protocola queixa-crime contra advogados de autor de atentado contra Bolsonaro: 'Queremos saber quem são os mandantes!'

A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os contratados aguardavam receber pagamento até a sexta-feira, 7, mas a remuneração não foi regularizada, o que gerou o início de um movimento de paralisação. Na semana anterior, os prestadores de serviço haviam sido orientados a emitirem suas notas fiscais, antecipadamente, para receber seus vencimentos antes que a candidatura de Lula fosse julgada pelo TSE. 

A direção de campanha já contava com a possibilidade do ex-presidente ter o registro de candidatura indeferido, o que ocasionaria uma alteração no CNPJ da campanha, algo visto como um elemento "complicador" para essa regularização. Mesmo assim, várias equipes não receberam os valores combinados antes da decisão da Justiça Eleitoral. 

Um dos coordenadores de marketing do PT, Otávio Antunes atribui o “atraso de alguns profissionais” a problemas burocráticos. “Lamentamos o atraso, mas 90% dos contratos dos fornecedores da campanha já estão com sua situação completamente regularizada”, disse Antunes. “Estamos dentro do cronograma (de produção do programa eleitoral).” 

Antunes é ligado à empresa M. Romano Comunicação LTDA, que cobrou R$ 7, 4 milhões da campanha de Lula por serviços de “produção de programas de rádio, televisão ou vídeo”. A empresa não estaria ligada aos atrasos nos pagamentos.

A "troca do CNPJ" da campanha seria uma das razões do problema. Como o candidato petista é Haddad, a campanha tem que ser feita por ele. Os recursos públicos utilizados para fazer campanha em nome de Lula podem ter que ser devolvidos. No entanto, funcionários receberam diferentes explicações sobre a questão. 

O problema afetou, inclusive, a produção do programa eleitoral do PT veiculado nesta quinta-feira, 13, que trata da substituição dos candidatos petistas. A inserção mostra Haddad no ato em frente à sede da Polícia Federal, em Curitiba, na segunda-feira, 10, e narra a leitura de uma carta do ex-presidente direcionada ao povo brasileiro, na qual ele discorre sobre a "perseguição" que o fez ter de abdicar da disputa presidencial.

Como algumas equipes já estavam paradas na ocasião do anúncio, a direção da campanha teve de convencer parte dos funcionários a fazer o trabalho em troca de regularizar os atrasos no mesmo dia, o que acabou não ocorrendo. 

Até ter sua candidatura indeferida, a campanha de Lula gastou R$ 26,2 milhões, sendo que mais da metade deste valor foi usado na produção de programas eleitorais para o rádio e televisão. A campanha também investiu em material gráfico e na contratação de dois grandes escritórios de advocacia. A reportagem entrou em contato com as empresas que mais receberam recursos e obteve resposta de duas delas, que garantiram terem recebido todo o valor dos contratos em dia. O PT tem direito a receber, neste ano, R$ 212 milhões, referente ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha.

Coordenação. Formalizado como candidato a presidente, Fernando Haddad indicou duas pessoas de sua confiança para a equipe de coordenação da campanha. Ex-secretário municipal de Governo de São Paulo na gestão Haddad, Chico Macena vai assumir a tesouraria da campanha. Ele já executou a função nas disputas de Haddad pela Prefeitura em 2012 e 2016. Macena é réu junto com Haddad em ação que apura suposto caixa 2 de R$ 2,6 milhões na eleição de 2012. O candidato rejeita a acusação do Ministério Público baseada, segundo ele, unicamente na delação do executivo Ricardo Pessoa, preso pela Lava Jato. Macena fica no cargo antes comandado por Ricardo Berzoini. 

O tesoureiro nacional do PT e ex-prefeito de Osasco, Emídio de Souza, passa a dividir a coordenação executiva da campanha com o ex-presidente da Petrobrás José Sergio Gabrielli. Emídio é um dos dirigentes petistas mais próximos de Haddad e, na disputa interna do PT, se situa no campo oposto ao da presidente do partido, Gleisi Hoffmann. Macena e Emídio são, até agora, os únicos integrantes da coordenação da campanha escolhidos pelo candidato.

Veja também:




Renan Truffi e Mariana Haubert
O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...