quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Reforma do Maracanã bancaria manutenção do Museu Nacional por 2,4 mil anos


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O incêndio do domingo (2) foi o auge de uma crise que se arrasta há anos no Museu Nacional, ligado à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Com as instalações malconservadas, há três anos a instituição não recebe os R$ 500 mil anuais prometidos para manutenção. Para pagar as contas, a direção chegou a fazer uma vaquinha virtual.

De acordo com a universidade, o governo repassou R$ 346,3 mil em 2015, aumentou o valor para R$ 415,3 mil em 2016 e, no ano passado, voltou a reduzir o repasse, novamente para R$ 346,3 mil.

Leia também: 

Para uma noção de grandezas, o Museu de História Natural de Londres teve 49 milhões de libras (R$ 262 milhões) no ano fiscal 2016-2017 --524 vezes o valor necessário para a manutenção anual do Museu Nacional, do Rio de Janeiro. Uma ressalva: o orçamento do museu londrino incorpora gastos com salários, que não fazem parte dos R$ 500 mil anuais do Museu Nacional. O pagamento dos funcionários, no caso do museu carioca, entra na folha salarial da UFRJ.

Com a estrutura degradada, o Museu Nacional precisava de R$ 21,7 milhões para reformas, segundo um relatório produzido pela própria instituição. Os problemas listavam goteiras e infiltrações no telhado, gambás e morcegos no forro e ferragem exposta nas marquises.

O dinheiro destinado à conservação do prédio e do acervo de um dos maiores museus de história natural e de antropologia das Américas parece ainda menor quando comparado a outras destinações do dinheiro dos contribuintes no Rio --não só na instância federal, mas em diversas esferas da administração pública:

Reformas do Maracanã

O Maracanã virou um canteiro de obras para a Copa do Mundo de 2014. Além das altas exigências da Fifa para o estádio que sediou a final, a construção também sofreu com desvios e superfaturamentos, chegando a uma soma final de R$ 1,2 bilhão --R$ 495 milhões a mais do que o previsto inicialmente. Disso, o TCE (Tribunal de Contas)  avalia que R$ 211 milhões tenham sido superfaturados. A reforma do estádio seria suficiente para manter o Museu Nacional por 2.400 anos.

Estaleiro para submarinos 

O superfaturamento na obra de um estaleiro em Itaguaí, no litoral fluminense, onde cinco submarinos também são construídos, consumiu R$ 2,8 bilhões do Prosub (Programa de Desenvolvimento de Submarinos), projeto executado por uma subsidiária da Odebrecht e pela empresa francesa DCNS. O valor inicial, de R$ 5 bilhões, terminou em 7,8 bilhões. Com essa diferença, o Museu Nacional teria sua manutenção garantida por 5.600 anos.

Complexo do Alemão

Em 2016, o governo federal prometeu gastar R$ 327 milhões para reurbanizar o complexo do Alemão por meio do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). A obra terminou em R$ 493,3 milhões, uma diferença de R$ 166,3 milhões. A cifra seria suficiente para custear o Museu Nacional por 332 anos. Só do teleférico, símbolo do novo Alemão, o desvio foi de R$ 14,8 milhões.

Linha 4 do Metrô do Rio

Em 2016, o governo do Rio entregou a Linha 4 do metrô. Custou R$ 9,6 bilhões. Naquele ano, o TCE identificou um superfaturamento de R$ 2,3 bilhões, um dinheiro que cuidaria da manutenção do Museu Nacional por mais de 4.600 anos.

BRT Transoceânica

Considerada a maior obra de Niterói, o BRT Transoceânica foi orçado em R$ 310,9 milhões, mas agora será entregue a R$ 384,8. Em janeiro deste ano, o TCE identificou um superfaturamento de R$ 11,6 milhões: O valor pagaria 23 anos de manutenção do museu.

Angra 3

Avaliada em R$ 7,1 bilhões, a obra da usina nuclear Angra 3 agora é estimada em R$ 17,1 bilhões, R$ 10 bilhões além do previsto. Parte desse valor foi superfaturado, de acordo com o TCE e o TCU (Tribunal de Contas da União): R$ 400 milhões, suficientes para cuidar do museu por 800 anos.
Autoridades

O salário médio dos juízes brasileiros é de R$ 47,7 mil, incluindo todos os benefícios. Por ano, são R$ 572,4 mil, o que pagaria a manutenção anual do museu e ainda sobraria um trocado. Isso sem contar com o aumento de 16% aprovado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) há um mês.

Cada um dos 51 vereadores do Rio ganha R$ 18.991,68 por mês. Um mês de salários somados (R$ 968 mil) quitaria quase dois anos de manutenção no museu. Ao ano, os R$ 11,6 milhões cuidariam do prédio e seu acervo por 23 anos.

Já o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, recebe um contracheque de R$ 18.893 no fim do mês. Por ano, são R$ 226,7 mil, ou metade do custeio e manutenção anual de todo o complexo.

Segundo o Ilisp, o salário do reitor da UFRJ também é superior à verba para manutenção do palácio do Museu Nacional. O atual reitor, Roberto Leher – um dos fundadores do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), apoiador declarado do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e eleito pelos professores e alunos da UFRJ em 2015 – possui remuneração bruta de R$ 27.988,71 mensais, ou seja, R$ 335,8 mil por ano. Ainda que sejam descontadas as deduções obrigatórias (imposto de renda e previdência) e ignoradas as verbas indenizatórias, o socialista Roberto Leher recebe um salário mensal líquido de R$ 19.546,05, totalizando R$ 234,5 mil por ano.

Veja também:




Wanderley Preite Sobrinho, Anna Kaiser e Lucas Borges Teixeira
UOL
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...