sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Sindicato de professores distribui material pró-Haddad para alunos e pais de escola estadual


Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
Um panfleto distribuído aos alunos da Escola Estadual Silvio Magalhães Barros, em Maringá, pede que os estudantes compararem os projetos dos candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

O material foi distribuído pela professora e ex-vereadora pelo PT Vilma Garcia da Silva, presidente do Núcleo Maringá da APP-Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Paraná. “Reflita e defina o seu voto a favor da educação e dos (das) trabalhadores (as)”, diz a Carta Aberta aos Pais, Mães e Estudantes.

Leia também: 

Conteúdo

O panfleto aborda diversos temas e compara “propostas” de Haddad e Bolsonaro. No tópico “Educação”, o texto afirma que Fernando Haddad “propõe ampliar os recursos para a educação pública e outros serviços públicos”, enquanto Bolsonaro “votou a favor da lei que congelou os gastos em saúde e educação. Também afirma que não precisa de mais dinheiro para essas áreas”.

Sobre a Reforma da Previdência, aponta que Bolsonaro é a favor do meio que “acaba com nossa aposentadoria”. Em relação à Reforma Trabalhista, por outro lado, enquanto Haddad quer “garantir direitos” ao revogar a lei, Bolsonaro “propõe reduzir ainda mais os nossos direitos”.

A vice-diretora da escola, Adélia Rodrigues, informou à Gazeta do Povo que o material foi iniciativa da professora e a escola procura não entrar em discussões políticas.

“Não tínhamos conhecimento. A nossa fala, desde o início do período eleitoral, é de que ninguém se posicione, porque podemos acabar caindo nesse tipo de problema que está acontecendo agora”, disse.

Já, de acordo com a Secretaria de Estado da Educação, os servidores e funcionários são orientados sobre as condutas proibidas durante o período eleitoral.

“As orientações estão disponíveis no documento “Orientações sobre condutas vedadas aos agentes públicos estaduais – período eleitoral 2018”. O descumprimento das normas é passível de processo administrativo”, disse a pasta em comunicado enviado à Gazeta do Povo.

Outro lado

Segundo a APP-Sindicato, a conduta "está de acordo com a lei eleitoral". A entidade declarou que acionará o departamento jurídico sobre o ocorrido.

“A lei não permite que você convoque voto para os candidatos. O nosso material não é de convocação de voto, mas de explicitação dos projetos educacionais que estão contidos nos planos de governo registrados no Tribunal Superior Eleitoral”, diz Marlei Fernandes, ex-presidente da APP Sindicato, que falou em nome da entidade.

“É uma avaliação que fizemos, aprovamos em instância superior do sindicato, que é o conselho estadual da entidade, e esse material foi produzido para ser entregue nas escolas e fazer o debate com os nosso estudantes e profissionais da educação”, completa.

Veja também: 





Gazeta do Povo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...