quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Alexandre de Moraes suspende apurações da Receita Federal sobre ministros do STF e afasta servidores


Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, nesta quinta-feira (1º), a prorrogação por mais 180 dias do chamado “inquérito de Toffoli”, um inquérito sigiloso que apuraria fake news, ameaças e outros ataques feitos contra a Corte e seus membros. No âmbito desse inquérito, o ministro determinou a suspensão imediata de todos os procedimentos investigatórios instaurados na Receita Federal ou em outros órgãos referentes à nota Copes emitida pelo órgão em março de 2018, com base em “graves indícios de ilegalidade no direcionamento das apurações em andamento”.




Ouça: 


Além da suspensão das apurações, o ministro Alexandre de Moraes decidiu pelo afastamento temporário de dois servidores da Receita Federal, por indevida quebra de sigilo noticiada em procedimento administrativo disciplinar. O procedimento constatou graves indícios da prática de infração funcional prevista no artigo 116, inciso II, da Lei 8.112/1990 (Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União), bem como da prática de infração penal e improbidade administrativa.

Leia também: 
Bolsonaro se irrita com repórteres e pergunta por que nunca denunciaram a escravidão dos médicos cubanos
Com o Mais Médicos, o Brasil alimentou uma ditadura, diz Bolsonaro em lançamento do programa Médicos Pelo Brasil
Estados Unidos designam oficialmente Brasil como aliado extra-Otan
Paulo Guedes anuncia guinada nas relações do Brasil com o Mundo após anos de estagnação e Bolsonaro aborda estatísticas do desmatamento
Paulo Guedes faz pronunciamento contundente ao anunciar a 'marcha' do Brasil rumo ao desenvolvimento
Ministro de Bolsonaro se emociona e é aplaudido ao anunciar implantação de projeto idealizado por D. Pedro II
Bolsonaro confronta jornalista sobre morte de presos e defende trabalhos forçados para criminosos
Bolsonaro denuncia tática de mandantes de Adélio Bispo e diz estar disposto a ficar frente a frente com ele
URGENTE: MP Pró-Sociedade e Janaína Paschoal pedem impeachment de Toffoli

O ministro justificou: “Considerando que são claros os indícios de desvio de finalidade na apuração da Receita Federal, que, sem critérios objetivos de seleção, pretendeu, de forma oblíqua e ilegal investigar diversos agentes públicos, inclusive autoridades do Poder Judiciário, incluídos Ministros do Supremo Tribunal Federal, sem que houvesse, repita-se, qualquer indício de irregularidade por parte desses contribuintes”.

Em sua decisão, o ministro Alexandre também requisitou informações detalhadas sobre “constatação da CGU de indícios de irregularidades tributárias e participação de agentes públicos em esquemas escusos”, bem como quais os “subsídios apresentados pelo Tribunal de Contas da União; ainda em 2016 (...) apontando indícios de incompatibilidade entre a variação patrimonial e as receitas informadas por agentes públicos em declaração anual de bens e rendas”, que levaram a escolha subjetiva de fiscalização dos 133 contribuintes. Além disso, pediu esclarecimentos a respeito do eventual compartilhamento dessas informações com outros órgãos.

Veja também: 








Notícias STF
Editado por Gazeta Social
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...