sábado, 3 de agosto de 2019

Ministro da Saúde de Bolsonaro escancara desfaçatez e escravidão patrocinados por petistas e Cuba no 'Mais Médicos'



No decorrer de coletiva de imprensa, Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde do Governo Bolsonaro, assestou absurdos patrocinados pelo Governo Petista, em conluio com a ditadura cubana, durante a execução do programa "Mais Médicos".

"Vamos deixar claro o seguinte: os médicos cubanos que ficaram no Brasil são vítimas. São vítimas de negociação que foi feita pelo Brasil com Cuba. Fizeram uma negociação para não pagar direto. Fizeram uso da OPAS, uma agência que cobrava uma intermediação. Esse formato é condenado pelo Pacto de Genebra, o qual proíbe o tráfico de pessoas sob qualquer tipo de pretexto", asseverou Mandetta.

"A sociedade, quando países negociaram o trabalho de pessoas, sempre cometeu excessos em relação às pessoas. Aqui, não foi diferente. A crítica feita foi porque os médicos cubanos não tinham direito de ir e vir, não tinham salários pago diretamente. (...) Dentro das leis brasileiras, eles não tinham nenhuma maneira de a gente certificar conhecimento. Qualquer país do mundo procura certificar", ressaltou o ministro.

"O médico vai cuidar do maior patrimônio de uma nação, que é a vida de seus cidadãos. Não há mais nada agressivo para o ser humano do que quando você fala assim: era exercício legal (...) Eles estavam em situação de total desamparo. Deixaram de estar no programa, eram exilados", complementou.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...