segunda-feira, 6 de julho de 2020

Adrilles Jorge chuta o balde contra tirania de Alexandre de Moraes, do STF: 'massacrando a democracia’




Por meio de suas redes sociais, o jornalista e palestrante Adrilles Jorge criticou severamente as recentes investidas de Alexandre de Moraes, do STF, contra a liberdade de expressão. 


O comunicador não poupou críticas à velha imprensa e a jornalistas que se alinham à tirania, além de apontar como “redes milicianas progressistas” são instrumentalizadas para difamar e caluniar o jornalismo independente.

Conforme Adrilles, há um “Supremo Tribunal Ditatorial” no país. Ele afirmou: “No Brasil, se você invade terra, casa, propriedade, faz arruaça em nome de causa progressista, vira herói da mídia ou candidato a presidente. Se empunha tocha ou segura faixa conservadora, vai preso como antidemocrata. A diplomática ditadura progressista mostra seus dentes. O Supremo Tribunal Ditatorial (STD) só admite críticas engomadinhas e de toga, senão te prende. A mídia ponderadinha te chama de antidemocrata se vc maltrata o STD. E se reclamar e apontar desvios do STD, é fake news. E as redes milicianas progressistas te chamam de fascista”.

Ademais, o escritor assestou que o STF está tentando “anular grande parte da direita”. Ele salientou: “STF, ungido de luzes que cegam a si mesmo, prende e tenta anular grande parte da direita brasileira, confundindo apoio e manifestação legítima com crime. Em nome da democracia, o judiciário está massacrando a democracia, perseguindo pessoas e ideias. Com apoio de certa mídia. Manifestar-se pró-governo é ser extremista e antidemocrático. Criticar juízes é cometer crime. Sair do país é ser foragido. Soltar rojões é ser terrorista. Empunhar tochas é ser racista. Gritar por liberdade é censurar a imprensa. Este o cenário da ditadura progressista”.

Para o jornalista, a “polarização radical” decorre do pseudoprogressismo, o qual avalia os conservadores e liberais como inimigos a serem eliminados. Conforme sua análise, parte da mídia censura, persegue e impede as vozes dissonantes. Ele discorreu: “O poder não apenas revela a natureza de alguém . O poder apodrece a natureza de alguém, se este alguém não tem maturidade para incorporar seu poder. Toda origem da tragédia social é fruto de um poder desnaturado que apodrece as relações. Todos exercem um poder: sobre uma empresa a um filho, amante ou cachorro. Até o poder de matar uma barata pode ser exercido com delicadeza. (a barata pode ser vc, vítima do poder alheio). Saber exercer poder com humildade em cada gesto é salvar a humanidade em cada detalhe. A polarização radical é fruto do totalitarismo de um lado - o pseudoprogressismo - que acostumado a ocupar quase toda a mídia, a cena cultural e JUDICIAL, agora enxerga o outro - o conservador , o liberal - como um inimigo a ser eliminado - em nome da democracia ‘progressista’. A demissão de Lacombe desnuda o viés censor e carrasco de certa mídia progressista. Se um jornalista ousar falar sobre conservadorismo ou dar voz à mídia alternativa na maioria dos veículos oficiais de comunicação, sua cabeça e língua serão cortadas. Pior que fake news é o NO news . Parte da mídia que IMPEDE E CENSURA a veiculação de notícias, ideias e PESSOAS que odeia, por gosto arbitrário ou obediência a autoridades políticas que comandam estas mídias da opinião única. A livre opinião das redes sociais ameaça a ditadura da fala única das mídias e políticos tradicionais. A aprovação da lei das fake news é a imposição da censura à voz democrática. Políticos e jornalistas se ofendem por não mais serem a falsa voz do povo que achavam representar”.

Ademais, ele assinalou o que entende como uma hipocrisia por parte do STF, uma vez que liberdades e ideias são perseguidas em nome da democracia. De acordo com ele, há uma “maneira sórdida de criar uma ditadura”. O jornalista disse: “STF proíbe suspeito de se expressar em rede social, se reunir com amigos e prende sem dar o motivo...levantar cartaz é crime de segurança nacional e soltar rojão é ato de terror. O legislativo quer rastrear mensagens de todo brasileiro. E dizem que o ditador é o presidente. Maneira mais sórdida de criar uma ditadura é acusar um poder de ditatorial e usurpar poderes e cercear liberdades individuais e amedrontar e calar todos em nome da defesa da liberdade. Mente - se em nome da verdade. Persegue-se em nome da democracia. Suprema hipocrisia federal”.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...