terça-feira, 13 de julho de 2021

Bolsonaro enfrenta Lula ao defender liberdade em Cuba e anuncia 'surpresa' para quinta-feira


Em conversa com cidadãos na saída do palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro voltou a prestar solidariedade ao povo cubano e apoiar as manifestações contra a ditadura. Bolsonaro lembrou: “Em 2018, o ditador era Fidel Castro, Raúl, irmão dele, e o tal de Canel. Teve uma pequena abertura na internet. No dia de ontem, começou um movimento, o povo pedindo alimento, remédio e eletricidade. Olha só: alimento, remédio e eletricidade”.

O presidente discorreu sobre o atraso da ilha, lembrando que os cubanos dependem de doações de petróleo da Venezuela, que vêm minguando, e questionou a falta de remédios em um país com tantos médicos. Bolsonaro apontou: “dizem que os melhores médicos do mundo estão lá. Tanto é que tinha uns 15 mil médicos aqui, devolvendo 80% dos salários.

Ninguém falava nada, só eu falava, tanto é que quando eu fui eleito eles foram embora daqui. Eu disse que era uma farsa a medicina cubana aqui, era pra dar dinheiro para a ditadura cubana”. 

O presidente disse: “Agora, vocês podem ver: eu apoio o movimento de quem pede liberdade lá. O que o Lula acha do que está acontecendo em Cuba? Ele está contra o movimento de liberdade popular. E tem gente que apoia esse cara para ser presidente do Brasil. Qual vai ser o futuro nosso se esse bandido for eleito presidente da República? Segundo o Datafolha, ele tem 60% das intenções de voto. Mas não vai na rua. 

Curiosidade: no primeiro semestre deste ano, a indústria de motocicletas lá em Manaus, Zona Franca, cresceu 45%. Eu tenho ajudado um pouquinho nisso aí. Manda o Lula organizar uma jegueata para ele. Ele não pode andar na rua. E o Datafolha tá recebendo muita grana para poder dar esses números aí. Engana alguns poucos ainda”. 

Bolsonaro prosseguiu: “A situação em Cuba está realmente complicada. Sobrou panca**, porr*** e prisão, para quem foi à rua, com uma faixinha pedindo liberdade. Lamentável o que acontece. Agora, aqui no Brasil, para não entrarmos na linha de Cuba, temos que ter o voto impresso e auditável, e a contagem pública dos votos, também. Quinta-feira, tem novidade na nossa live, novidades que ninguém tem. Vai ser bombástico. Não vou nem dar dica do que vai acontecer. Assistam à live de quinta-feira”. 

A deputada federal Carla Zambelli, por sua vez, questionou Rodrigo Maia ao expor um pronunciamento de 2015 em que o ex-presidente da Câmara defendia o voto impresso auditável


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...