sexta-feira, 30 de julho de 2021

Generais do Clube Militar reagem ao STF: 'Suprema Corte desmoralizada, CPI esdrúxula, tribunal de inquisição'


O Clube Militar, na coluna “Pensamento do Clube Militar”, assinada pelo General de Divisão Eduardo Barbosa, presidente da entidade, deu uma dura resposta ao vídeo divulgado pelo Supremo Tribunal Federal em seus canais oficiais, em que a Corte acusava o presidente Jair Bolsonaro de mentir e propunha a “verdade do STF”. O Clube Militar diz: “Inacreditável o nível vergonhoso de hipocrisia assumido pelo STF, utilizando sua página oficial para lançar assertiva mentirosa, buscando confundir a opinião pública”.

Leia a íntegra da nota: 

SUPREMA CORTE DESMORALIZADA 

Rio de Janeiro, 29 de julho de 2021

Inacreditável o nível vergonhoso de hipocrisia assumido pelo STF, utilizando sua página oficial para lançar assertiva mentirosa, buscando confundir a opinião pública.

Muito provavelmente para respaldar uma CPI esdrúxula, que mais parece um tribunal de inquisição, o STF vem a público afirmar que não impediu o Executivo Federal de coordenar as ações no combate à pandemia, quando todos que sabem ler um mínimo de português podem constatar que as decisões do Supremo deram a Governadores e Prefeitos o poder absoluto para decidirem o que bem entendessem, inclusive com medidas inconstitucionais e desvio escancarado de recursos públicos.

Isto, com certeza, contribuiu para piorar as consequências nefastas da pandemia, em muito lembrando governos passados rechaçados pela população em 2018, mas ainda protegidos por Ministros escolhidos, exatamente, por esses corruptos que permanecem impunes.

Não é de se estranhar que esses mesmos Ministros, não eleitos pelo povo, se promiscuam em discussões políticas (que não lhes cabem) e defendam, com vigor exacerbado, que não se melhore nosso sistema eleitoral para que seja mais transparente, com discurso semelhante àqueles que quase destruíram nosso País e desejam voltar ao poder. Se o atual sistema é defendido pelos corruptos que não o querem transparente, já é um forte indício de que há algo errado…

Recentemente, o Clube Militar também divulgou artigo de Alex Fiuza de Mello, intitulado “Então tá!”, com a chamada: “A quem interessa não aperfeiçoar o sistema eleitoral brasileiro?”. Ouça o texto: 

Quer dizer, então, que, não faz muito tempo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), induzido pela manifestação explícita do Congresso Nacional, considerava a introdução do voto impresso auditável, acoplado à urna eletrônica, como mecanismo de maior segurança no processo de apuração eleitoral, e agora, mais que de repente, mudada a conjuntura política, o seu atual presidente, Ministro Barroso, posiciona-se diametralmente contrário à inovação, mediante alegações, no mínimo controversas, que nunca haviam sido cogitadas anteriormente? É isso?!

E o mesmo Ministro, ainda que admitindo a ocorrência de uma invasão criminosa no sistema eleitoral por um hacker (Marcos Roberto da Silva), durante as últimas eleições municipais – como testemunha vídeo divulgado pelo Deputado Filipe Barros (PSL/PR) –, continua, não obstante o gravíssimo fato, a manter a mesma postura de defesa da “inviolabilidade” do programa atual e de oposição ao voto impresso auditável?!

E mais ainda: que um aplicativo que pode ter seu código-fonte adulterado por qualquer programador a poucos minutos do início de um pleito – como já foi fartamente demonstrado por especialistas na matéria (inclusive em sessões do STF e do Congresso Nacional) – continua tendo o aval daqueles que, mais que todos (inclusive por dever de função), deveriam zelar pela máxima segurança do sistema?!

Quer dizer que Ministros do STF/TSE, proibidos pela Constituição de fazer política, decidem, desfaçada e impunemente, assumir o protagonismo das negociações junto a líderes partidários para barrar a implantação do voto impresso auditável, como se lobistas fossem, e depois se sentem “injuriados” com acusações de suspeição por tal patente e despudorada contravenção?! É isso mesmo?!

E tal insistente e estranhíssimo ativismo judicial (político) ignora, de resto, o fato de que os únicos países a adotar o defasado sistema brasileiro – condenado por cortes constitucionais, como as da Alemanha e da Índia, por descumprir o requisito básico de publicidade e transparência na contagem dos votos – são a Venezuela, Bangladesh e o Butão, como se fossem a “vanguarda” do republicanismo democrático e do desenvolvimento tecnológico?! Dá pra acreditar?!

Quer dizer que, ao lado do Ministro Barroso et caterva, também lideranças políticas (como Rodrigo Maia) e partidos (como o PSDB), outrora amplamente favoráveis à introdução do voto impresso auditável – e que inclusive ajudaram a derrubar, em 2015, o veto da ex-presidente Dilma Roussef à emenda constitucional que instituía a norma (hoje ignorada) –, atualmente se apresentam, “enigmaticamente”, como adversários da medida?! Sério mesmo?!

E tal medida, que introduz apenas (e de forma neutra) maior garantia e transparência à contagem dos votos – como manda o figurino de um verdadeiro e confiável regime democrático –, a Justiça, ao arrepio do espírito da Lei, renega-a por mera (e excêntrica) hermenêutica formalista?! Fala sério!!!

Quer dizer que, para formar opinião pública antagônica ao voto impresso auditável, políticos e ministros da Suprema Corte, associados a “intelectuais orgânicos” do caos, plantam na grande mídia a infame fake News de que o voto impresso, ora em discussão, seria o “retorno ao passado” (cédula manuscrita em papel), querendo iludir as massas sobre o verdadeiro tipo de ferramenta em proposição (conferência apenas visual do voto impresso, sem contato com a cédula)?! É verdade isso?!

Quer dizer que aqueles que são contrários ao voto impresso acoplado às urnas eletrônicas por “razões financeiras” (2 bilhões de reais de investimento) são os mesmos que acabam de aprovar, repentina e desavergonhadamente, na calada da noite, sem debate público, a indecente e delitosa elevação do Fundo Eleitoral de 2 para quase 6 bilhões de reais (180%), na maior cara-de-pau?! Não é surreal?!

Quer dizer que, em meio a todo esse turbilhão, arrogam-se, os senhores “donos do poder”, tão somente a “nobre” e “insuspeita” palavra de “Suas (“ínclitas” e “honoráveis”) Majestades”, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes (próximo presidente do TSE), como o único “lastro” à condução do suspeitoso processo eleitoral vindouro?! Sério?! Justo o sr. Alexandre de Moraes, quem, à revelia da Constituição (e de seu próprio e “contundente” discurso de posse em favor da “irrestrita” liberdade de expressão), manda, arbitrária e monocraticamente, investigar adversários, invadir residências, caçar e prender cidadãos comuns, jornalistas e até parlamentares, como se monarca absoluto fosse?! É esse o empafiado enredo oferecido, cinicamente, aos eleitores, sem qualquer rubor ou recato?!

Almeja-se, além do mais, a despeito de todo esse pântano de sordidez, um voto de confiança cega no TSE – pretensamente constituído por “deuses incorruptíveis” e não por humanos subornáveis –, mesmo perante a inexistência da prova física das votações (como ocorre hoje) e da transparência do processo de escrutínio (que não deixa rastros para qualquer auditoria) – quando a própria Lei determina que a apuração dos votos (mero ato administrativo) deva ser pública?! Caracas!!!

Quer dizer que o próprio tribunal (TSE) que desenvolve as urnas e os programas, executa o processo eleitoral, investiga as denúncias de fraude, produz e guarda as evidências e, ao mesmo tempo, julga e decide a “partida” pretende que a população confie em sua “infalibilidade” (como na do Papa), ainda que sejam os seus próprios membros, quando acusados de fraude, aqueles que irão julgar a si próprios?! É isso mesmo?! Não será brincadeira?!

São essas, afinal, as pretensas e incontestáveis “salvaguardas” preconizadas por Suas Excelências para afiançar a árdua e desafiadora conflagração eleitoral (este é o termo!) que se avizinha – como se a população, em sua maioria, fosse constituída por uma cambada de idiotas, mentecaptos ou imbecis?!

Apostam, nossos “ilustres” togados e engravatados, que a sociedade brasileira, como de costume, engolirá, mais uma vez, apática e passivamente, “ficando em casa”, tal afrontoso e humilhante golpe de Estado – com “distanciamento social” de tamanho esbulho?!

É isso?! É isso mesmo?!

Então tá!…

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...