segunda-feira, 16 de agosto de 2021

Major-Brigadeiro faz críticas avassaladoras ao STF e alerta: ‘demonstrações inequívocas de desprezo pelo estado democrático de direito’


Em artigo intitulado ‘Nação encilhada e domada’, publicado no site do Clube Militar, o Major-Brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez descreve as formas pelas quais, de acordo com a sua perspectiva, ministros do Supremo Tribunal Federal subjugaram a nação. O major-brigadeiro aponta: “Contra os parlamentares, utiliza o cabresto do foro privilegiado que, além da obediência às suas ordens e ações intervencionistas, garante o engavetamento dos pedidos de impeachment tramitando no Senado Federal contra seus ministros. Sobre a sociedade, o cabresto possui o poder da intimidação exercida pelos inquéritos ilegais, as decisões monocráticas e sumárias e as prisões irregulares”.

Sanchez explica que, conforme sua visão, as últimas iniciativas foram direcionadas ao governo e aos conservadores, pautando julgamento contra o novo ministro e mandando prender o presidente do PTB, Roberto Jefferson. Sanchez disse: “Encorajadas a adotar medidas cada vez mais ousadas, contundentes e explícitas, Suas Majestades acabam de dar demonstrações inequívocas de desprezo pelo estado democrático de direito e deixar claro quem manda e desmanda nos destinos do País. De uma só tacada, atacaram frontalmente o governo e o reduto conservador”.  O major-brigadeiro sugere que Jefferson faça, de pronto, uma delação premiada para, em suas palavras, “desmascarar definitivamente e comprovar a podridão que compromete a independência do parlamento e a moralidade do judiciário”. 

Leia o artigo do Major-Brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez: 

Em analogia à linguagem utilizada na doma de equinos, podemos afirmar que a Suprema Corte encilhou e montou a Nação após domar e subjugar os demais Poderes e Instituições.

Passo a passo, foi aplicando a tática adequada para alcançar o perfeito domínio de suas presas, realizando manobras estrategicamente planejadas, para acostumá-las aos tipos específicos de cabresto que utilizaria em cada uma.

Uma vez tomadas definitivamente as rédeas, passou a usar o bridão e cravar as esporas afiadas para sangrá-las, enfraquecer as reações e consolidar seu domínio.

Contra os parlamentares, utiliza o cabresto do foro privilegiado que, além da obediência às suas ordens e ações intervencionistas, garante o engavetamento dos pedidos de impeachment tramitando no Senado Federal contra seus ministros.

Sobre a sociedade, o cabresto possui o poder da intimidação exercida pelos inquéritos ilegais, as decisões monocráticas e sumárias e as prisões irregulares.

Nas Forças Armadas, seu cabresto é autoaplicado, resultando numa atitude pragmática e disciplinada perante os preceitos constitucionais, que a impele a atuar exclusivamente “dentro das quatro linhas”.

Encorajadas a adotar medidas cada vez mais ousadas, contundentes e explícitas, Suas Majestades acabam de dar demonstrações inequívocas de desprezo pelo estado democrático de direito e deixar claro quem manda e desmanda nos destinos do País. De uma só tacada, atacaram frontalmente o governo e o reduto conservador.

Desafiou mais uma vez o governo, desengavetando e pautando o julgamento de um processo contra o Senador Ciro Nogueira que tramitava na turma “garantista”, para o qual o Ministro Gilmar Mendes havia pedido vistas, num momento em que julgou a “cera técnica” como um movimento favorável à causa, bastando apenas a sua nomeação para Chefe da Casa Civil da Presidência da República para que Gilmar devolvesse a matéria rapidamente ao plenário, talvez sem sequer fazer a leitura.

Sem entrar no mérito do crime pelo qual será julgado o Senador ou pleitear sua inocência, fica claro que os critérios para a elaboração da pauta do STF são definidos pelos interesses do grupo que ambiciona retomar o poder a qualquer custo, conforme exprimiu um dos seus maiores líderes e beneficiários, o condenado e libertado José Dirceu: “Vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar a eleição”.

A escala de prioridades praticada pela “delegacia de comunidade” em que se transformou o Supremo Tribunal Federal, instalada na antiga Praça dos Três poderes, agora alcunhada de “Praça do Poder Onipotente”, lhe permite julgar celeremente qualquer queixa-crime impetrada por partidos ou entidades amigas, enquanto paralisa processos de criminosos importantes que continuam trabalhando impunemente pela derrubada do governo, como Renan Calheiros, Jáder Barbalho, Edson Lobão e outros clientes preferenciais, até que seus crimes atinjam os critérios da prescrição. Quando os coloca em pauta, é para decidir em favor de condenados em instâncias inferiores ou presos preventivamente, como nos casos de Lula, Dirceu, André do Rap e muitos outros apaniguados.

O ataque ao reduto conservador deu-se pela prisão tempestiva do presidente do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson, um dos maiores e mais destemidos defensores dos valores defendidos pelo Presidente e mais caros ao cidadão: religião, liberdade e família. Do deputado Roberto Jefferson, aquele que denunciou o mensalão e proporcionou o início de um processo de combate sem precedentes ao crime institucional organizado, esperamos que, estando em prisão preventiva que considera injusta e ilegal, realize imediatamente uma delação expontânea, apresentando todas as cartas que acreditamos e almejamos que disponha, e que respaldariam seu desafio contínuo e contundente ao sistema.

Essa iniciativa serviria para desmascarar definitivamente e comprovar a podridão que compromete a independência do parlamento e a moralidade do judiciário, arrancando de vez as máscaras de legalistas e guardiões da Carta Magna, para exibir à Nação as faces demoníacas daqueles aproveitadores e antipatriotas que ignoram e humilham seus eleitores, e dos que desmoralizam a Suprema Corte, Instituição fundamental à existência da democracia.

BRASIL ACIMA DE TUDO, DEUS ACIMA DE TODOS.


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...