quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Bolsonaro denuncia ‘vingança’ de Renan Calheiros na CPI e desabafa sobre TSE: ‘A que ponto chegou’


Em entrevista à velha imprensa, transmitida por suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro comentou o relatório da CPI da pandemia, as medidas econômicas, e falou sobre a sanção da nova lei de improbidade administrativa, rebatendo acusações de que teria prejudicado a Lava Jato. 

Questionado sobre a CPI, Bolsonaro disse: “Antes de falar em Ministério Público, quem tem um pouco de juízo sabe que foi uma palhaçada, foi a CPI do Renan. Talvez para se vingar da eleição do Alcolumbre em 2019”. O presidente lembrou que apoiou Alcolumbre para derrotar Renan Calheiros, dizendo: “não adianta pedir lagosta se tem bife e frango na mesa. Não tem lagosta”. 

O presidente apontou os efeitos das narrativas veiculadas pela CPI da pandemia. Ele disse: “a CPI, o que ela faz? Muita gente não acredita, mas ela causa um estrago. Não é em cima de mim, não. Eu estou aqui para apanhar, também. Para fora do Brasil, a imagem é péssima. Acham que estamos vivendo em uma ditadura. Acham que eu estou prendendo jornalista, eu estou cerceando liberdade de expressão. Isso prejudica a todos nós!”. 

Bolsonaro questionou: “O que a CPI fez pelo Brasil? O que os senadores do G7 fizeram em 2020? Já que sabiam de tudo, por que não procuraram o presidente, o Ministério da Saúde? Ficaram em casa de férias! Eu sou o único chefe de estado do mundo que botou a cara. Eu tenho que falar, me expor, botar minha opinião também”. 

O presidente explicou que é constantemente atacado pela velha imprensa porque seu governo enfrenta os grupos de interesse que a financiam, e disse: “Olha os problemas que eu enfrento. Olha o julgamento do TSE de ontem! A que ponto chegou o nosso TSE! Tem certas coisas que você nem tem que analisar, tem que arquivar”. Bolsonaro acrescentou: “o tempo todo pressão, graças a Deus estou tranquilo, nada me abala, e vamos seguir em frente”.

Respondendo sobre a sanção à nova lei de improbidade administrativa, Bolsonaro explicou: “atendi integralmente os deputados e senadores”. O presidente explicou que, quando as leis vêm do parlamento, é inútil vetar. Bolsonaro disse: “Qualquer veto é derrubado lá. Então, eu conversei com o Arthur Lira - essa é a vontade do parlamento? é, presidente, passou aqui por consenso”.

O presidente prosseguiu: “Atendi o parlamento. O que acontece? Quando você senta numa cadeira de presidente, governador, prefeito, começa a entender o que é isso. Tudo é improbidade administrativa. Tem coitado de prefeito aí que não tem muita cultura, ou é de uma cidade muito pequena… o outro que assume entulha o anterior…”

Bolsonaro concluiu: “que tem defeito a lei, tem. Nada é perfeito. Que se corrija. E assim vai ser feito. Atendi o parlamento nisso aí. Agora, me acusar de golpe na Lava Jato… por mim, né? para o meu governo, eu nunca dei trabalho pra Lava Jato, não estão investigando a gente em nada. A Lava Jato está aí, quem botou um ponto final nela, vocês sabem quem foi”. 

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais e influenciadores censurados. A Folha Política teve toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, do TSE, com o aplauso e o respaldo do ministro Luís Roberto Barroso. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas.

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, inclusive celulares e tablets dos sócios e de seus filhos. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há quase 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...