terça-feira, 9 de novembro de 2021

Flávio Bolsonaro retruca ataques da esquerda ao presidente e desmoraliza Dilma: ‘Mais danosa para a economia que a pandemia’


Durante sessão da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, o senador Flávio Bolsonaro apoiou a iniciativa de convidar o Ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, explicando que o convite possibilitará um debate de alto nível sobre o preço dos combustíveis, afastando as narrativas que visam prejudicar o governo Bolsonaro. 

O senador lembrou que, enquanto o governo federal manteve o imposto federal sobre os combustíveis e zerou o imposto sobre o gás, não há o mesmo esforço por parte dos governadores, que aproveitam a alta dos preços de combustível para aumentar a arrecadação. Flávio Bolsonaro disse: “há, sim, uma grande margem de gordura em que os estados podem colaborar, de uma forma mais direta, mais forte, mais pesada, para reduzir o preço na bomba”. 

O senador disse: “todos estamos preocupados com os grandes impactos negativos pós-covid, na inflação, no preço dos combustíveis, preço dos alimentos”. O senador lembrou que muitos que criticavam o presidente quando ele dizia que era necessário cuidar simultaneamente de saúde e de empregos são os mesmos que agora criticam o governo com base em narrativas. 

Flávio Bolsonaro ironizou a oposição, apontando que, com o fim da CPI da pandemia, “as narrativas mentirosas vão ter cada vez menos espaço”, e comparou o desempenho do governo Bolsonaro com os governos anteriores. O senador lembrou que, no governo Dilma, perderam-se 3 milhões de empregos, sem a ocorrência de pandemia. Flávio Bolsonaro disse: “Dilma, para a economia, foi mais danosa que a covid”. 

O avanço constante e crescente de medidas restritivas arbitrárias impostas por governadores e prefeitos a pretexto de combater a pandemia é um dos sinais de que, no Brasil, os cidadãos não vivem em uma democracia. 

Para um grupo de pessoas e empresas, a tirania ganha contornos de implacável perseguição política e ideológica, e esse grupo “marcado” vem sendo perseguido com medidas arbitrárias, como prisões políticas, buscas e apreensões, censura, bloqueio de redes sociais e confiscos. 

A Folha Política, que já teve todos os seus equipamentos apreendidos a mando de Alexandre de Moraes, atualmente tem toda a sua renda confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, em decisão aplaudida pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF, presidente do TSE. Segundo a velha imprensa, que participa ativamente dos inquéritos, a intenção é impedir o funcionamento da empresa, privando-a de sua fonte de renda. 

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a impedir o fechamento do jornal, doe qualquer valor pelo Pix, usando o QR Code que está visível na tela, ou o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há quase 10 anos, a Folha Política vem enfrentando a espiral do silêncio imposta pelo cartel midiático e trazendo os fatos da política brasileira. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...