quarta-feira, 15 de dezembro de 2021

Paulo Guedes é aplaudido ao rebater FMI, expõe cartéis e desabafa: '200 milhões de trouxas'


O ministro Paulo Guedes fez um discurso impactante durante sua participação em um debate no Evento Moderniza Brasil - Ambiente de Negócios, na Fiesp, em São Paulo. Paulo Guedes lembrou que o programa inicial do governo tinha como principal foco controlar a disfunção na economia brasileira. O ministro disse: “fomos prisioneiros do baixo crescimento e da corrupção na política”. 

O ministro explicou que o excesso de intervenção estatal é destrutivo para a economia, e que o governo tenta dar uma guinada no País para promover o crescimento e o desenvolvimento. O ministro descreveu as reformas que estão sendo promovidas e explicou que as mudanças foram interrompidas pela chegada da pandemia. Paulo Guedes foi intensamente aplaudido ao rebater e alfinetar o FMI, dizendo: “erraram, e vão errar de novo”. 

O ministro apontou ainda a importância de combater a ineficiência que resulta do domínio da economia por cartéis, que ele descreveu como “os amigos de Brasília”. Paulo Guedes disse que o governo pretende promover o livre mercado e atrair os empreendedores que querem servir a população brasileira, e não se servir dela. Ao mencionar os cartéis que exploram a população, o ministro lembrou: “são os 200 milhões de trouxas explorados por meia dúzia de cartéis em cada setor”. 

A censura que vem se intensificando no Brasil atinge unicamente conservadores e já causou o fechamento de alguns veículos de imprensa. Mas a perseguição não se limita à censura e inclui muitas outras medidas, inclusive prisões políticas, devassas, buscas e apreensões, ass*** de reputações, entre outras. 

Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A Folha Política teve toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, do TSE, com o aplauso e o respaldo do ministro Luís Roberto Barroso. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas.

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, inclusive celulares e tablets dos sócios e de seus filhos. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há quase 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...