terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Bolsonaro alerta sobre socialismo e diz: ‘mais dois anos de PT, acho que não teria mais retorno o Brasil’


O presidente Jair Bolsonaro conversou com cidadãos que o aguardavam na volta ao palácio da Alvorada, quando falou sobre o socialismo e alertou sobre a possibilidade da volta do PT ao poder. Após uma oração, Bolsonaro disse: “tem certas coisas que só Ele explica. Minha sobrevivência, uma eleição por um partido pequeno, toda a imprensa batendo na gente, e assim mesmo conseguimos. Depois, montar um ministério que, com todo o respeito, vocês nunca viram outro no passado”.

Bolsonaro mencionou a roubalheira em bancos e estatais ocorrida nos governos petistas. Ele relatou que esteve no Banco do Brasil e lembrou que o último presidente do banco fugiu para a Itália. Bolsonaro explicou: “quando aparece dinheiro no apartamento de alguém, saiu de algum lugar”.  E alertou: “e tem gente que diz que o cara é a solução para os problemas do Brasil”. 

Bolsonaro lembrou que, apenas na Petrobras, houve um prejuízo de dezenas de bilhões de reais. O presidente apontou que um único delator devolveu 100 milhões para a estatal, derrubando as narrativas de que não houve corrupção. O presidente lembrou ainda que, em depoimento, o ex-ministro Antonio Palocci relatou o aparelhamento de praticamente todas as instituições. 

O presidente disse: “o BNDES. Fica difícil dimensionar um milhão de reais, né? Agora imagine um bilhão. Agora imagine 500 bilhões, meio trilhão - é a facada no BNDES. Obras maravilhosas, parabéns, fora do Brasil. Quando você vai ao banco pegar um empréstimo, não deixa uma garantia? Alguém sabe qual a garantia que Cuba deu para nós para fazer um porto lá, entre outras coisas? Charutos! Venezuela - nada. Nós estamos pagando juros do empréstimo da Venezuela. Dinheiro do trabalhador. E tem alguns trabalhadores que querem voltar ao que era antigamente”.

Bolsonaro rebateu as narrativas da velha imprensa de que ele não participaria de debates eleitorais, lembrando que, na campanha de 2018, só não participou de debates após ser hospitalizado, devido ao ataque de um militante de extrema-esquerda. O presidente disse: “eu estava com uma fa**** na barriga, dada por um cara do PSOL. Debate? A gente vai falar isso. Não adianta querer perguntar besteira para mim, eu vou responder coisa séria”. 

O presidente acrescentou: “Eu acho que Deus nos salvou do socialismo”. Ele apontou: “Agora, a garotada que, em grande parte, apoia, não sabe o que foi esse governo. Ai fica acreditando naquele papo furado deles. Fica falando de inflação… Tem inflação? Sim. O mundo todo tá com inflação. Tem que saber qual é a consequência. Nós tivemos inflação de 10%, acho que foi em 2014, 2015 com a Dilma. E não teve pandemia, não teve nada. Nós tivemos 10% com pandemia. E a política do ‘fique em casa, a economia a gente vê depois’, chegou a conta para pagar”. 

O presidente lembrou os escândalos do Consórcio Nordeste. Ele disse: “O que foi levantado e confirmado, o roubo da petralhada, entre outros. Confirmado. 49 milhões, via Consórcio Nordeste, governador da Bahia. A CPI aqui não apurou nada. Quer que Renan Calheiros apure desvios de recursos? Omar Aziz? Randolfe Rodrigues? Tá de brincadeira!  Agora, a história está aí: peguei o Brasil com sérios problemas éticos, morais e econômicos”.

Bolsonaro exemplificou: “Pega a molecada… não sabe um 7x8, não sabe tirar uma raiz quadrada de um número com 2 algarismos. Com 3, então, vira um inferno. E essa turma cresce criticando o capitalismo. Onde tem socialismo, o que que tem? Divisão de miséria. Vi um cara, outro dia, falando sobre o capitalismo. Quem é o pobre hoje em dia? O pobre, hoje em dia, bem ou mal, tem um telefone celular. Em um tempo lá atrás, quando era estatal, não tinha telefone. Era comercializado em dólares, o telefone no Brasil”. O presidente lembrou o ditado: “se tem até uns 22 anos de idade, se não for socialista ou comunista, é porque não tem coração. Depois dos 30, é porque não tem cérebro”. E acrescentou: “É uma realidade”.

O presidente explicou a um garoto, que estava com a camisa do Vasco, o problema do socialismo: “ó o garoto com a camisa do Vasco - vamos supor que fosse jogador do Vasco, nos bons tempos do Vasco. Se fosse um bom jogador que ganhasse o mesmo salário de um perna-de-pau, ele teria algum estímulo para continuar treinando? Ia ser perna-de-pau, também. Ganha a mesma coisa”. 

Bolsonaro questionou a atuação da velha imprensa: “Então, o Brasil, aqui. Ninguém tem o que nós temos. Dá pra sair da situação em que a gente se encontra? Dá. Três anos de governo, dois com tempestade. Acusação o tempo todo, não tem dia que o Jornal Nacional não dá 10 minutos para bater em mim. Vê se ele falou o que eu fui fazer no estado do Amapá. O que eu fui fazer no Amapá? Vê se vai dizer que fomos fazer lançamento de cabo de fibra óptica no leito dos rios, para levar internet, sem dinheiro público, para toda a região norte. E também entregamos - dá pra imaginar? - 1 milhão e 700 mil hectares de terra que era da União para o estado do Amapá. O pessoal vai poder agora plantar, fazer reforma agrária, entre tantas coisas. Tava travado. 30 anos o pessoal esperava isso, e nós, em três, conseguimos. Fizemos algo parecido, já, em Roraima, e em outros estados também”. 

Depois de a conversa ser interrompida para o hasteamento da bandeira, Bolsonaro disse: “Eu falei aqui, né, que os petistas, quando passaram por aqui, nunca viram a bandeira ser hasteada. Primeiro, porque acordavam tarde. Depois, porque não é a cor de preferência deles. É bacana ver, pelo Brasil, o ressurgimento do patriotismo. O pessoal não tem vergonha de pegar uma bandeira e botar na porta de casa…”

A uma cidadã que agradeceu, Bolsonaro disse: “estou cumprindo missão aqui”. O presidente acrescentou: “Mais dois anos de PT, se não fosse o impeachment, acho que não teria retorno mais o Brasil. Não teria”. 

Há quase 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, ministro do STF e do TSE. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. 

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há quase 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...