terça-feira, 15 de março de 2022

Bolsonaro ironiza governadores sobre alta dos combustíveis: ‘me desgasta politicamente e enche os cofres de dinheiro. Tem coisa melhor?’


O presidente Jair Bolsonaro parou para conversar com cidadãos nos jardins do palácio da Alvorada, quando falou um pouco sobre sua rotina. A uma senhora que disse que ele parecia cansado, Bolsonaro respondeu: “não queiram minha cadeira, não”. O presidente relatou que ainda teria outros compromissos até às dez da noite, e acrescentou: “é natural. Dez da noite. Não é dez da noite, dormir. É acabar os compromissos. Mas eu fui voluntário, não posso reclamar”. 

O presidente disse: “O que a gente precisa fazer é analisar: como peguei o Brasil, dois anos de pandemia… Essa guerra, apesar de longe, tem reflexos aqui. Se acontece algo por culpa minha, tudo bem. Mas se tem problemas externos ou alheios à nossa vontade, como a pandemia… o inimigo não dá desconto, não. E olha que terminamos 2020 sem perder empregos formais. Ao contrário de 2014, 2015, quando perdemos três milhões de empregos, e sem crise”.

A um cidadão que falou sobre a dificuldade de administrar uma pequena empresa ou mesmo uma casa, Bolsonaro disse: “para um prefeito, já é difícil. Prefeitura… e tem muita gente que sempre elege um responsável pelo seu insucesso. Tô desempregado, a culpa é dele. Subiu a gasolina, a culpa é dele. Mas vocês não sabiam qual era a composição do preço do combustível. A massa não sabia, começou a saber. Comigo. O ICMS, os impostos federais, transporte, margem de lucro… O meu imposto federal na gasolina está congelado desde 2019. Se está alto ou não, você pode falar. Está 69 centavos. O ICMS tinha um valor em 2019, quase que dobrou, né? É a sanha arrecadatória. E a culpa cai no colo de quem? No meu. É bom para a oposição, que me desgasta politicamente e enche os cofres de dinheiro. Tem coisa melhor do que isso?”. 

Há quase 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, ministro do STF e ex-presidente do TSE. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. 

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há quase 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...