terça-feira, 26 de abril de 2022

Bolsonaro é aclamado aos gritos de ‘mito’ na Marcha dos prefeitos em Defesa dos Municípios


O presidente Jair Bolsonaro discursou na cerimônia que marca a Marcha em Defesa dos Municípios, em que prefeitos de todo o país levam suas demandas a Brasília. O presidente mencionou que sabe como os prefeitos costumavam ser tratados em Brasília e afirmou que seu governo vem mudando essa relação. 

O presidente lembrou que sancionou mudanças na lei de improbidade administrativa e que busca simplificar a vida dos que se dispõem a entrar para a vida pública para servir à população. Bolsonaro disse: “tenho certeza de que trabalhamos, junto com a Câmara e o Senado, para dar mais tranquilidade para que vocês possam trabalhar”.

Bolsonaro lembrou que as pessoas que entram para a vida pública estão sujeitas a críticas, exemplificando com as que recebeu ao ir à Rússia. O presidente lembrou que, graças a sua viagem e à posição de equilíbrio que vem assumindo, garantiu fertilizantes para o Brasil, que permitirão garantir a segurança alimentar para os brasileiros e também para muitos outros países.

Nesta toada, o chefe de Estado voltou a ressaltar seu dever de defender a liberdade e os direitos dos cidadãos contra a tirania,  afirmando que as agressões sofridas por homens públicos não podem ser pretexto para que alguns usem seus poderes para interferir na liberdade dos brasileiros: “Eu sempre digo: tem um bem maior do que a própria vida, é a liberdade. Essa é inegociável. Quantos de nós somos agredidos durante nossa vida pública. Não podemos admitir que alguns de nós, com certos poderes, interfiram no nosso bem maior, que é a liberdade de expressão”.

O presidente lembrou que o mundo todo enfrenta dificuldades, decorrentes da pandemia, e apontou os avanços atingidos por seu governo. Ele concluiu: “Dizer aos senhores que trabalhamos em conjunto. Queremos o bem do nosso Brasil. Não existe satisfação maior do que bem servir aqueles que votam na gente”. Ao terminar o discurso, Bolsonaro foi aclamado aos gritos de “mito”. 

 A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de 9 meses, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...