segunda-feira, 25 de abril de 2022

Bolsonaro garante que decreto que perdoa Daniel Silveira será cumprido e alerta sobre ação em curso no STF


O presidente Jair Bolsonaro discursou durante a cerimônia de abertura da Agrishow, em Ribeirão Preto. Ao iniciar seu discurso, Bolsonaro rebateu especulações e declarou, sobre o decreto que concedeu graça ao deputado Daniel Silveira: “o decreto da graça é constitucional e será cumprido. No passado, soltavam bandidos e ninguém falava nada. Hoje, eu solto inocentes”. 

O presidente lembrou que, desde a época de parlamentar, sempre prestigiou o agronegócio e afirmou que seu governo não interfere nas atividades. Bolsonaro disse: “Estado bom é aquele que não interfere. Dá liberdade a quem quer produzir”. O presidente lembrou que o agronegócio não é uma atividade isolada e falou sobre a importância de garantir os fertilizantes, mesmo em meio à guerra. 

O presidente explicou que conseguiu garantir fertilizantes para o País através da boa política externa promovida por seu governo, e lembrou que há anos defende a exploração das reservas naturais brasileiras. O presidente explicou que há um projeto de lei “repousando na Câmara” para permitir aos índios que explorem suas terras. 

Bolsonaro descreveu o potencial e a importância do agronegócio para o Brasil e para o mundo, e alertou sobre tentativas de inviabilizar o setor. O presidente mencionou a ação no Supremo Tribunal Federal para alterar o marco temporal de demarcação de terras indígenas e disse: “dentro do STF, tem uma ação que está sendo levada avante pelo ministro Fachin, querendo um novo marco temporal. Se ele conseguir, me restam duas coisas: entregar a chave para o Supremo ou falar que não vou cumprir”. O presidente sugeriu aos que querem governar o Brasil que se candidatem nas eleições. 

O presidente lembrou vários episódios de corrupção em governos passados e alertou sobre a tentativa de certos grupos voltarem ao poder. Bolsonaro sugeriu aos cidadãos que, ao escolher seus representantes no Legislativo, observem como votaram em questões essenciais. O presidente exemplificou com a urgência ao PL das fake news, também conhecido como PL da Censura. Bolsonaro disse: “os que votaram pela urgência do PL de fake news, atendendo Barroso, Fachin, Alexandre de Moraes. Esses caras que votaram sim à urgência estão do lado daqueles caras que querem censurar as redes sociais”. 

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Há mais de 9 meses, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...