sexta-feira, 27 de maio de 2022

Bolsonaro é aclamado em discurso a industriais em Minas Gerais e afirma: ‘em time que está ganhando não se mexe’


O presidente Jair Bolsonaro discursou durante a Solenidade de Posse da Diretoria da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), quando foi intensamente aplaudido e aclamado aos gritos de ‘mito’. O presidente enfatizou a política externa de seu governo, que vem apresentando o Brasil ao mundo e trazendo investimentos para o Brasil. O presidente lembrou a obtenção de fertilizantes para o agronegócio e também anunciou que garantiu sua ida à Cúpula das Américas e uma reunião bilateral com os EUA. 

O presidente apontou que o Brasil e o mundo vivem as consequências da pandemia, e que o Brasil ainda teve que enfrentar outros problemas como crise hidrológica e geadas. Bolsonaro disse: “Mas o brasileiro é um povo resiliente, trabalhador, que tem fé. Lamenta o ocorrido mas levanta a cabeça e busca alternativa. Creio eu que já estamos na volta da normalidade”. 

O presidente lembrou que, apesar da pandemia, foi possível até mesmo gerar empregos, e comparou: “lembremos que entre 2014 e 2015, sem crise, o Brasil perdeu quase 3 milhões de empregos. E, entre 2021 e 2022, vocês criaram aproximadamente 3 milhões de empregos”. O presidente afirmou que já é possível comparar períodos da nossa história, e que é preciso refletir sobre o que aconteceu com o país entre 2003 e 2015, e como foi possível sobreviver. Bolsonaro disse: “Não queremos: revogar as reformas da CLT, reatar com Cuba, desarmar o cidadão de bem, voltar a emprestar para ditaduras da América do Sul e da África, legalizar as drogas ou o aborto. Não valorizaremos o MST, muito pelo contrário”.

O presidente acrescentou: “queremos, sim, cada vez mais, dizer que não perderemos a nossa liberdade, custe o que custar. Lá atrás, eu e o mineiro Braga Netto fizemos o juramento de defender a nossa Pátria com o sacrifício da própria vida. E tenho certeza de que todos nós daremos muito mais do que isso para defender a nossa liberdade”. 

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de 10 meses, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...