terça-feira, 21 de junho de 2022

Deputada Aline Sleutjes defende CPI da Petrobras: ‘se o Governo tivesse medo de fiscalização, não estaria apoiando essa iniciativa’


Da tribuna da Câmara, a deputada federal Aline Sleutjes rebateu as narrativas que tentam culpar o governo federal pela alta dos combustíveis. A deputada lembrou que a política de preços da Petrobras foi instituída muito antes do início do governo, e caberia ao Legislativo mudar essa lei. 

A deputada lembrou os desmandos na estatal durante os governos de esquerda, e apontou: “O Brasil poderia estar numa posição melhor se o outro Governo tivesse investido em refinarias, mas preferiu investir em outros países e não investiu no Brasil. Então, nós retiramos o nosso petróleo e o levamos lá para fora. Eles fazem a refinação que é enviada para nós, e nós pagamos o preço. Então, se nós tivéssemos as refinarias dentro do nosso País, certamente o combustível seria mais barato e não pesaria no bolso do consumidor hoje”.

A deputada alertou: “O cidadão precisa estar atento porque há bastante falácia e tentam colocar a todo momento que a crise é culpa deste Governo, e não é. Então, queremos que os cidadãos, os brasileiros saibam que nós precisamos sim discutir o monopólio da PETROBRAS, a mudança de política de preço, a cobrança de lucros. Nós não podemos mais ficar reféns da PETROBRAS. E é isso que o Presidente Jair Bolsonaro e esta Câmara estão fazendo. Estamos o dia todo, no final de semana, discutindo essa questão na tentativa de encontrar um caminho, uma solução, principalmente em relação à CPI. Se o Governo tivesse medo de fiscalização não estaria apoiando essa iniciativa. Pelo contrário, o partido do Presidente, o PL, é que está solicitando a instalação dessa Comissão”.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Há mais de 11 meses, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...