sexta-feira, 29 de julho de 2022

Bolsonaro alfineta o STF e ironiza banqueiros após ‘carta’: ‘Democracia com ladrão?’


No decorrer de pronunciamento ao vivo, o presidente Jair Bolsonaro voltou a retrucar notas emitidas pelo establishment. O chefe de Estado frisou como tais manifestos insinuam, sorrateiramente, que ele seria contra a democracia, enquanto legitimam corruptos e o ex-presidente Lula, além de ignorarem solenemente as violações perpetradas pelo STF e pelo TSE contra os direitos fundamentais, o devido processo legal, as garantias da Constituição Federal e a liberdade de expressão, de associação e de consciência.

O mandatário retrucou: “Tem uma nota de alguns empresários, banqueiros, artistas, pró-democracia. Olha, quem é contra a democracia no Brasil? Em três anos e meio, algum ato meu contrário à democracia? Temos o contrário, outras pessoas contra a democracia. Somos pela transparência, pela legalidade, respeitamos a Constituição. Tem gente que se irrita quando falo que estamos dentro das quatro linhas. Não entendi essa nota que foi patrocinada pelo filho do ex-vice-presidente do Lula, José de Alencar. Não entendi. É uma nota política em ano eleitoral”.

Nesta toada, ele ironizou: “Olha, ‘é melhor democracia com ladrão do que outro regime com honesto’. Que outro regime é este? Estão com medo de quê? Estou há três anos e meio, nunca falei em controlar a mídia, a imprensa, as redes sociais. É uma nota político-eleitoral. Se não tivesse viés político essa nota, eu assinaria. Voltou-se para a defesa de outro poder. Sabemos por onde anda o desequilíbrio no Brasil.  A imprensa vai falar…é uma nota contra a minha pessoa, favorável a um ladrão que endividou em 900 bilhões a Petrobras, meteram a mão na CAIXA, no BNDES. Aqueles 50 milhões no apartamento caíram do céu? Vieram de estatais”.

Neste contexto, Bolsonaro concluiu: “Os delatores devolveram R$6 bilhões. Teve um que foi R$200 milhões. Essa nota aí serve apenas para politizar o momento. Lamento a nota político-eleitoral, tentando levar parte da sociedade para o outro lado. PIX, por exemplo, os banqueiros devem deixar de arrecadar 22 bilhões de reais. O PIX, todo mundo sabe, não tem taxa”.

Empresários e cidadãos brasileiros estão sofrendo perseguição política por apoiarem o presidente Jair Bolsonaro ou por defenderem valores conservadores. Com uma “canetada”, o ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, confiscou a renda de sites e canais conservadores, com o apoio e respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. 

Toda a renda da Folha Política está sendo confiscada em consequência dessa decisão, que se aplica indiscriminadamente a todos os conteúdos produzidos pelo jornal e afeta inclusive a renda de vídeos antigos. 

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e enfrentando a espiral do silêncio imposta pelo cartel midiático que quer o controle da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org.


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...