segunda-feira, 18 de julho de 2022

Bolsonaro aponta que ‘espírito de Fidel Castro encarnou’ em Moraes, alfineta Lula e expõe ‘sabotagem’ de governadores


Em coletiva de imprensa concedida no Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro rebateu recente decisão de Alexandre de Moraes, ministro do STF, protestou contra pesquisas do Datafolha que apontaram Lula como supostamente “mais honesto”, fez uma explanação a respeito de como o PT causou prejuízos ao Brasil com empréstimos para a Venezuela e outros regimes ditatoriais, além de apontar como governadores de esquerda, em especial do Nordeste, estariam sabotando medidas concernentes à redução dos preços dos combustíveis. 

No que toca ao ato de Alexandre de Moraes, Bolsonaro explicou: “Isso está com a AGU. O cara, na sexta-feira, dá 48 horas. Quer provocar. Ele quer provocar. Ele não quer diálogo, não quer solução. Tem um vídeo dele falando que existe ‘Gabinete do Ódio’. Queria que ele apontasse uma matéria que porventura saiu do tal ‘Gabinete do Ódio’. ‘Ah, se repetir, vamos cassar o registro’. Parece que o espírito de Fidel Castro encarnou em alguém aqui no Brasil. Um magistrado não tem que agir com ameaças. Ele tem que agir de acordo com os autos e, ali, ele faz seus questionamentos, julgamentos, pede que a Polícia Federal investigue mais. Ele quer intimidar quem? Está buscando a paz, a tranquilidade, a harmonia entre os poderes?”.

Ademais, o presidente protestou: “Vocês viram as imagens de Fortaleza? Uma semana fantástica. O que é aquilo? Não tem um centavo meu. É espontâneo. Viram meu discurso de 20 minutos na praia? Isso é o Brasil. É diferente do que se fazia aqui no Brasil. O outro lado, quando se reúne, tem pagamento de diária de R$50,00. Eu tenho certeza de que tenho votos nas ruas. De cada 10 enquetes, eu ganho 9. Não tem dificuldade. O pessoal fica metendo narrativas. O Datafolha fez uma pesquisa dizendo que o Lula é mais honesto do que eu. Posso ter um montão de defeitos, todo mundo tem. Agora, no tocante à honestidade, o Lula perde para qualquer um no Brasil. E o Datafolha falou que ele é mais honesto”.

O chefe de Estado elucidou, também, como o patrimônio público, as empresas estatais e as contas públicas foram dilapidados pela gestão petista: “Quando se fala em corrupção, chegam dados para mim. Dados do BNDES. Por exemplo, da Petrobras, a dívida chegou a acumular, no Governo Dilma, 180 bilhões de dólares com endividamento da Petrobras. Dá para fazer 60 vezes a Transposição do São Francisco. A Petrobras foi entregue para apoiarem o PT no Congresso. Assim foi a delação do Palocci, ele fala que o único órgão do governo que não foi aparelhado foi o Banco Central. Ele disse para o Lula: ‘Se entregar o Banco Central, acabou o governo de vez’. O resto, foi tudo loteado. E o empréstimo para a Venezuela? Tem metrô em BH? Não. Mas tem em Caracas. Quem está pagando os juros, o avalista para o empréstimo para a Venezuela? São vocês. Todo ano, a gente desembolsa alguma coisa para pagar juros ou amortizar alguma coisa para a Venezuela. Nosso prejuízo será de 1 bilhão e 60 milhões de dólares. Chega na casa de 5 bilhões de reais. Queremos a volta disso? É isso que o povo quer?”.

Nesta toada, o mandatário explicou como até mesmo medidas destinadas a reduzir preços de combustíveis e “desafogar” a população no que se refere a impostos têm sido sabotadas por seus opositores: “Falam que, com o Lula, a gasolina era tanto, mas o pessoal não faz atualização monetária. Abrimos mão dos impostos federais sobre a gasolina e o álcool, já tínhamos aberto mão sobre o diesel e o gás. Teremos um dos combustíveis mais baratos do mundo. Estamos dando um prazo para os respectivos estoques, mas já acabou o prazo. Nosso decreto foi muito inteligente. Ele obriga a nota fiscal a ter a data. No mínimo, a gasolina tem de baixar R$0,79. Se o estado cobrava 30%, ele faz as contas e aplica o 17 agora. É o novo valor. Esse extra que tem que sair chega na casa de dois reais sobre o preço da gasolina”.

Dessa maneira, ele denunciou: “Há resistência em todo o Nordeste. Toda a bancada do PT votou contra a redução dos combustíveis. Eles batiam em mim o tempo todo sobre o preço dos combustíveis e, quando chega na hora de ajudar a população, votam contra. No Nordeste, está havendo a maior reação contra a diminuição dos preços dos combustíveis. Tem estados em que nem os 79 centavos, meus, deixaram de descontar. A culpa não é do posto, é do governador que, por decreto, poderia regulamentar isso. Em vez de fazer por decreto, que dá para fazer em 24 horas, mandaram expedir projeto de lei para a Assembleia Legislativa para atrasar mais. Esse problema existe, em especial no Nordeste. O estado que está mais atrasado é o Rio Grande do Norte, por coincidência”.

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de 1 ano, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...