quinta-feira, 7 de julho de 2022

Bolsonaro detona Barroso e Moraes por não prestarem explicações ao Senado e alfineta: ‘Não sei por que essas pessoas vão para fora do Brasil para criticar o Brasil’


Durante sua live semanal, o presidente Jair Bolsonaro criticou a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal em eventos políticos, em especial no exterior, e contrastou com a recusa dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes de comparecerem ao Senado para a audiência pública que discutiu o ativismo judicial e a separação dos poderes no Brasil. 

O presidente comentou as declarações do ministro Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, que afirmou que o Brasil poderia ter eventos semelhantes ao observado nos Estados Unidos. Bolsonaro disse: “não sei por que essas pessoas vão para fora do Brasil para criticar o Brasil”. O presidente enfatizou que nunca teve um ato ou fala que ameaçasse as instituições ou a liberdade de imprensa. 

Bolsonaro lembrou que agiu para impedir a aprovação da urgência de um projeto de lei que instituía a censura no Brasil, projeto esse que tinha o apoio de toda a esquerda e de alguns ministros de cortes superiores. Bolsonaro disse que, quando a imprensa faz matérias verdadeiras, consegue mais leitores. Ele acrescentou: “se uma imprensa começa a fazer mentiras, ela cai por si só. Como grande parte da mídia vem perdendo clientes ao longo dos últimos anos”. O presidente questionou ainda por que o ministro Fachin imaginaria que haverá revolta com o resultado das eleições. Bolsonaro disse: “se ele fala isso, é porque ele tem a certeza de que o candidato dele vai ganhar”. 

O presidente mencionou ainda o anúncio de um evento político no exterior, com a presença de vários ministros do Supremo Tribunal Federal, e comentou: “o sr. Barroso e o sr. Alexandre de Moraes perderam a chance de comparecerem ao Senado. Foram convidados a falar sobre ativismo judicial e outras coisas como liberdade de expressão. E não foram!”. 

O presidente apontou que, em uma das conferências, o tema é “a economia em um novo governo”, e disse: “Eles já sabem o resultado das eleições”. O presidente disse: “isso aqui é uma vergonha para o Brasil. Participar de um evento “a economia do Brasil com um novo governo”? O tema é esse”. 

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Há mais de um ano, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...