segunda-feira, 11 de julho de 2022

Bolsonaro faz alerta sobre ataques à liberdade, planos de 'quadrilha' petista e rebate Fachin, TSE e STF


O presidente Jair Bolsonaro conversou com cidadãos que o aguardavam nos jardins do palácio da alvorada. O presidente mencionou o evento do fim de semana, do movimento pró-armas, e lembrou que o número de CACs no Brasil dobrou em seu mandato. Bolsonaro disse: “entendo que a arma é liberdade, é segurança, e a garantia de uma nação também”.

O presidente questionou os cidadãos sobre a frase “todo poder emana do povo”, perguntando se os cubanos, venezuelanos e norte-coreanos não desejam a liberdade. Ele explicou que o poder só emana do povo quando os representantes são bem escolhidos. Bolsonaro lembrou que, no Brasil, a liberdade dos cidadãos está sendo açoitada por quem deveria defendê-la, e acrescentou: “tem gente que quer eleger determinadas pessoas no grito. Estão percebendo isso aí? Está claro”. 

Bolsonaro comentou declarações do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Edson Fachin, que vem recusando diversas contribuições das Forças Armadas na Comissão de Transparência Eleitoral. Bolsonaro comentou a recusa de um encontro entre os técnicos das Forças Armadas e os técnicos do TSE e disse: “quem age dessa maneira não tem qualquer compromisso com a democracia”. 

O presidente lembrou que foi uma decisão do ministro Edson Fachin que levou à anulação dos processos em que o ex-presidente Lula havia sido condenado em várias instâncias, e lembrou ainda a atuação política de Fachin e de outros ministros do STF e do TSE. Bolsonaro disse: “é um momento difícil, porque o inimigo não é externo. Ele está dentro do Brasil”. 

O presidente lembrou as tentativas de derrubar seu governo através da economia, e apontou como o país, apesar da pandemia e da guerra da Ucrânia, está indo bem. Bolsonaro pediu aos cidadãos que comparem os mandatos e as propostas e façam uma escolha consciente. 

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Há mais de 1 ano, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...