sexta-feira, 15 de julho de 2022

General Paulo Sérgio rebate desinformação propagada pela velha imprensa e expõe pilares da atuação das Forças Armadas


Em pronunciamento por ocasião de debate na Comissão de Fiscalização e Controle do Senado Federal, o ministro da Defesa do Governo Bolsonaro, General Paulo Sérgio Nogueira, retrucou peças de desinformação produzidas pela velha imprensa no decorrer de suas declarações. 

O oficial pontuou: “Eu queria fazer um adendo aqui, meu Presidente. Alguns veículos de comunicação, fruto da audiência desta sessão, estão publicando aí coisas equivocadas, que eu vou aproveitar a oportunidade para esclarecer. Falaram como se eu estivesse propondo votação paralela em papel, Deputado! Quem assistiu sabe... Talvez a pessoa, o jornalista não tenha o conhecimento do que é um teste de integridade! Meus amigos, no teste de integridade, no dia da votação, há um voto na mão. É aquele elemento que faz ali – ou é um servidor do TSE, ou, se atenderem a nossa demanda, é um eleitor – à mão, que testa a urna e que confere se o que ele fez à mão é o que saiu na urna. Isso é que é integridade! E o TSE já faz esse teste normalmente. Então, isso dá a impressão... E eu recebi aqui de assessorias que tem gente dizendo que o Ministro da Defesa propõe votação paralela com cédula de papel! Então, estou esclarecendo isso aqui”.

Nesta toada, o general salientou: “Eu retorno aos três pilares da nossa participação neste processo: a legalidade, ou seja, o TSE nos chamou, e nós estamos dentro de uma resolução; o trabalho técnico de uma equipe altamente capaz que propôs inovações, aperfeiçoamentos, algo factível, exequível; e o espírito altamente colaborativo, altamente colaborativo, de diálogo, de tudo... Se eu tivesse tido mais condição de integrar em reuniões técnicas, provavelmente muitas dúvidas que a gente está tendo aqui teríamos evitado com reuniões técnicas setoriais para discutir assuntos importantes”.

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de um ano, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...