quarta-feira, 20 de julho de 2022

Guedes se enfurece com ‘fake news’, alerta para ‘nuvem de gafanhotos’ e manda recado


Em pronunciamento por ocasião de análise das perspectivas para a economia brasileira e do cenário macroeconômico mundial, Paulo Guedes, ministro da Economia do Governo Bolsonaro, enfureceu-se ao refutar o que qualificou como “fake news” a respeito de desequilíbrios e populismo fiscal, além de advertir para grupos políticos que agiram como “nuvens de gafanhotos” ao administrarem as estatais e a coisa pública.

O ministro encetou: “Passo à observação sobre a aprovação da PEC, de um lado, e à percepção de risco de outro. Quero deixar bastante claro que, após o agravamento dessa guerra, que escalou, fizemos o mesmo protocolo que havíamos feito quando chegou o COVID: primeiro, medidas infraconstitucionais. Apesar de todos os nossos esforços, a escalada da guerra continuou pressionando preços de alimentos e de combustíveis. Reafirmo: o que foi, uma vez, a PEC Kamikaze, com custo anual de 120 bilhões de reais…teriam consequências desastrosas sobre a economia brasileira, a inflação, o dólar, a taxa de juros, o crescimento econômico, a capacidade de recuperação. Estamos absolutamente seguros de que fizemos o certo. Não havia guerra e haviam proposto em caráter permanente, como um fundo de estabilização. Seria um saco sem fundo. Fizemos corretamente, mantivemos nossos compromissos com as futuras gerações. Pagar por nossas guerras. Encaminhamos propostas de redução de impostos. Os preços já estão descendo. Os estados fortalecidos fiscalmente, com superávit”.

Dessa maneira, ele sintetizou: “O governo preferiu reduzir os impostos. Transformar o excesso de arrecadação, do lado da Receita Federal, e os dividendos extraordinários, bem acima do que estava previsto, como resultado de uma gestão eficiente. As estatais davam prejuízo de 40 bilhões ao ano. Hoje, estão dando lucro de quase 200 bilhões ao ano. Essa gestão mais eficiente deu uma guinada de 228 bilhões que saíam pelo ralo todo ano. Essa PEC era Kamikaze, ia dar subsídios à gasolina. Não faz sentido subsidiar quando há uma avalanche de impostos. Tiramos os impostos para aumentar o poder aquisitivo da massa salarial”.

Nesta toada, Guedes retrucou: “É uma PEC das Bondades e não Kamikaze. Quem não tem preparo técnico ou está com militância política não vai entender nunca a diferença. Nós contamos com receitas extraordinárias e arrecadação extraordinária. O fiscal está forte. Da mesma forma que passaram o ano passado inteiro falando em populismo fiscal, o que era ‘fake news’, enquanto gerávamos superávit, da mesma forma, neste ano, falam isso, mesmo garantindo que o fiscal está forte. Os bancos centrais do mundo inteiro dormiram atrás da bola”.

Assim, o ministro avaliou: “Não estamos jogando a conta para as futuras gerações. As estatais estão produzindo resultados, em vez do buraco de sempre. Outros dizem que protegiam as estatais, mas, na verdade, quebraram as estatais, fundos de pensão, quebraram tudo. Nuvem de gafanhotos, para não dizer algo mais forte”.

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de um ano, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...