quarta-feira, 20 de julho de 2022

Paulo Guedes aborda ‘guerra mundial já deflagrada’ e desabafa sobre sabotagem de políticos ao Gov. Bolsonaro


O ministro da Economia, Paulo Guedes, ao fazer uma análise das perspectivas para a economia brasileira e dos cenários geopolítico e macroeconômico mundiais, desabafou a respeito de políticos que atuam com vistas a sabotar iniciativas do Governo Federal, fez uma explanação a respeito de como entende que já há uma guerra mundial em andamento e fez um apelo para que haja uma conjugação de esforços no sentido de pacificar o planeta, eliminar sanções e promover a integração mundial.

O ministro pontuou: “O Congresso, da mesma forma que nos ajudou no combate à crise humanitária que foi a pandemia, está, agora, moderando as demandas políticas, focalizando programas e apoiando o que era uma exigência da opinião pública. Tinha gente pedindo isso 7 meses antes de uma declaração de guerra, como aconteceu na invasão da Ucrânia. Quando tem impacto sobre preços de comida e energia, dimensionamos essa ajuda para ficar dentro da possibilidade da geração presente, sem transmitir contas para gerações futuras, dizem que o programa é eleitoreiro”

Dessa maneira, ele rebateu: “Tem que escolher: se há fome no Brasil, se as pessoas estão cozinhando a lenha, se isso tudo é verdade, esse programa não é eleitoreiro. Ou o programa é eleitoreiro e não tinha ninguém passando fome. O problema da politização da tragédia, da politização excessiva, de não compreender que somos todos brasileiros, que estamos lutando por um país melhor…é normal que haja diferenças políticas, mas não que haja sabotagem quando um país está lutando para sobreviver. Primeiro, a uma pandemia e, agora, ao que muitos consideram uma guerra mundial já deflagrada. Escutei em Davos que já há uma guerra mundial em andamento”.

Isto posto, o economista explicou: “Só que uma guerra em dimensões não convencionais. Já há uma guerra física com a invasão da Ucrânia e impacto sobre preços de energia e alimentos. Mas já haveria, também, uma guerra biológica, uma guerra energética, uma guerra de desinformação. Eu não acredito em teorias conspiratórias. Eu acho que é um grande infortúnio que a humanidade está tendo de enfrentar. Estão em teste as nossas instituições multilaterais. Para que existem se não conseguem parar uma guerra imediatamente? Tem que parar instantaneamente. E, aí, sim, começarmos a remover as sanções econômicas que estão fechando os países na hora em que deveríamos estar voltando a nos integrar”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 1 ano, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. 

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...