sexta-feira, 1 de julho de 2022

URGENTE: Marcos Valério faz revelações sobre caso Celso Daniel e ligação entre PT e PCC


A revista Veja publicou vídeos de depoimentos do empresário Marcos Valério à Polícia Federal, em que Valério descreve ligações do Partido dos Trabalhadores com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Os depoimentos são parte do acordo de delação premiada do empresário, homologada pelo ex-ministro Celso de Mello em outubro de 2018. Segundo descrito pela revista, “Valério afirma que ouviu do então secretário-geral do PT, Sílvio Pereira, detalhes sobre o que seria a relação entre petistas e o Primeiro Comando da Capital (PCC), a principal facção criminosa do país”.

O empresário relatou: “Fui conversar com o sr. Silvio Pereira. Ele virou para mim e falou: ‘Marcos, o assunto de Santo André é que o Ronan quer revelar que, além dos ônibus, a gente recebia dinheiro de bingos. Recebia dinheiro dos perueiros. E que, dentro desse dinheiro de bingos (…).Conversei com o João Paulo Cunha sobre isso, também. Conversei com o senhor Virgílio Guimarães sobre isso. E que, além disso, no dinheiro dos bingos, os bingos estariam lavando dinheiro do crime organizado. E financiando campanhas de candidatos a vereadores do PT e de deputados do PT. Em dinheiro vivo. Em crime organizado, leia-se PCC’. Estariam pondo nos bingos e estariam pagando, lá, e saindo isso via Santo André. E a pessoa que era responsável para recolher todos os recursos, inclusive empresas de ônibus, tudo, empresários, era o senhor Ronan Pinto. Ele não entregava o dinheiro só da empresa dele. Ele entregava o dinheiro de tudo”.

Nesta toada, Marcos Valério mencionou Celso Daniel, sequestrado e assass* em janeiro de 2002, quando exercia o cargo de prefeito de Santo André, em São Paulo: “Não acabou, não. E o Celso Daniel tinha feito um dossiê mostrando quem era, do PT, quem estava sendo financiado, quem tinha pedido para ele manter, para dar ajuda lá em Santo André, ele, como prefeito. Tinha feito um dossiê. E esse dossiê sumiu. Isso eu ouvi de gente do PT. Bom, eu pensei comigo mesmo: ‘Isso é rolo, ainda vai estourar no meu colo’. E saí fora disso. Preste atenção: saí fora disso. Falei que não ia pagar, não paguei e eles usaram o José Carlos Bumlai”.

Questionado a respeito da intenção de Celso Daniel em fazer o mencionado dossiê, Marcos Valério pontuou: “O Celso Daniel achava que o dinheiro era só para manutenção do partido. E manutenção do presidente, de despesas de pessoas da cúpula do partido. Mas o dinheiro tinha virado uma farra, já estava financiando vereador fulano de tal, que o crime organizado tinha interesse, um deputado fulano de tal que o crime organizado tinha interesse. Era isso. E o Celso Daniel não concordava com isso”.

No que concerne ao conteúdo do dossiê elaborado por Celso Daniel, Marcos Valério relatou: “Ninguém achou esse dossiê mais. Ninguém…Tanto que, depois, a posteriori, o PT fez uma limpa, tirando um monte de gente, vereador que era ligado ao crime organizado. Fez uma limpa tirando do partido essas pessoas”.

Em 2017, a senadora Mara Gabrili, então deputada, afirmou acreditar que Lula ainda seria preso em conexão com o caso Celso Daniel. Ela relatou que visitou Marcos Valério na cadeia e disse: “Quando fui ao presídio, essa foi a primeira pergunta que Marcos Valério me fez: “Você não tem medo de morrer?”. Ele mesmo disse várias vezes que está morrendo de medo. Respondi que, se quisessem me matar, já teriam me matado antes. Afinal, fui eu que fiz a denúncia quando Celso Daniel foi assassinado. Também fiz um dossiê sobre Ronan Maria Pinto e o entreguei ao juiz Sergio Moro. Acredito que Lula vai acabar preso no caso do Celso Daniel. Marcos Valério me disse que tem as provas que incriminam o ex-presidente”.

Enquanto investigações de crimes graves como o assass* de Celso Daniel e grandes esquemas de corrupção se arrastam por anos sem resultados, o Supremo Tribunal Federal é rápido para punir pessoas, mesmo sem processo, por crimes de opinião. Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Há um ano, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...