terça-feira, 23 de agosto de 2022

Personalidades, advogados, políticos e jornalistas confrontam Bonner e Renata, do Jornal Nacional, após ataques a Bolsonaro


A atuação dos apresentadores William Bonner e Renata Vasconcelos, da rede Globo, durante a edição do Jornal Nacional que entrevistou o presidente da República, Jair Bolsonaro, tornou-se alvo de intensas críticas por parte dos cidadãos, que entenderam que a dupla não conduziu uma entrevista honesta. 

O cientista político Eduardo Matos de Alencar afirmou: “Bolsonaro foi muito bem no JN. E a prova é que Bonner teve que mudar de assunto para sair do tema da pandemia, que muita gente via como calcanhar de Aquiles do governo. Passaram menos tempo nisso do que na patacoada das urnas. Não falou como 2018, mas falou como governante”. Ele acrescentou: “A Globo apoiou medidas de fechamento do comércio como se fosse o estado da arte indiscutível da ciência. Agora, que ficou evidente que a coisa foi um erro, virou "fique em casa, se puder". Papelão da emissora. Empresa sem compromisso com o público”. 

O humorista Alba constatou: “Na real, o jornalismo pomposo, cheio de caretas e jogadas de corpo não funciona mais. O padrão global caiu. A evidência disso é a preferência de ver um podcast onde perguntam de boa, sem pose e o entrevistado consegue responder. Como diria Paulo Figueiredo:"O Jornalismo Morreu"”. 

A jornalista Karina Michelin perguntou: “Que raio de entrevista é essa feita ao Presidente da República, pelo Bonner e Renata? Faltou profissionalismo, perguntas extremamente tendenciosas, rasas, parciais - um show de pobreza intelectual! Se os brasileiros se baseiam no que diz e faz esses jornalistas, estamos perdidos!”.

O investidor Fernando Ulrich apontou: “Há uns dez anos (ou mais) decidi não assistir ao Jornal Nacional. Hoje os jornalistas do JN me fizeram lembrar o porquê”.

O médico e youtuber Marcos Falcão relatou: “Até minha prima que falou que vai votar no Lula, achou isso que aconteceu hoje, um absurdo. O povo não é idiota. Globo não deu um tiro no pé, cortou o pé fora”.

O jornalista Milton Neves ironizou: “Parabéns ao Willian Bonner por ter conseguido falar mais do que um entrevistado, hj no JN. E inventou tbém a pergunta interminável e lida, Em seguida, resolveu ainda explicar a sua própria e longa pergunta. Ora, nem precisava de entrevistado”.

A comentarista Ana Paula Henkel disse: “Que lixo de jornalismo. Questione, debata, aperte com boas perguntas e não com editorias com falácias e com caras, bocas e risinhos. Que troço patético. #RIPGlobo”

A advogada Flavia Ferronato ironizou a reação da cantora Anitta: “O mais legal de tudo foi a gênia da Bananitta caindo na pegadinha da escrita da mão do Bolsonaro!!”

O jornalista Paulo Figueiredo Filho ironizou: “O Bonner deixou a Renata sem falar no começo por 15 min. Como a Renata aceita esse “Machismo estrutural”? O que mais me chamou a atenção na entrevista do Bolsonaro não foi o entrevistado, mas os entrevistadores. Se alguém precisava de alguma prova de que o jornalismo profissional morreu, a teve hoje ao vivo. Que horror!”

Roberto Motta, engenheiro e ex-secretário de Estado, disse: “Escola Globo de jornalismo: interrompa, ironize, faça careta, dramatize, interrompa de novo, faça gracinhas, insinue, retire a insinuação, interrompa de novo. Cite um rumor como se fosse evidência. Interrompa de novo”.

O advogado Emerson Grigollette, que defende perseguidos políticos nos inquéritos de Moraes, disse: “Se toda a munição da Globo era essa, falhou miseravelmente. A entrevista (se é que dá pra chamar de entrevista) foi ridícula. Perguntas rasas, mal formuladas, com assuntos requentados e que a população já está cansada de saber e que já foram desmentidas e esclarecidas”.

O empresário Marcelo de Carvalho, dono da RedeTV!, disse: 

Que vergonha. Nível raso, faccioso, dos entrevistadores. Toda vez que o PR destrói um argumento deles, cortam e vão para outro assunto. Não há  interesse em esclarecer. Só repetir as narrativas mentirosas de sempre. Como o tranca tudo da COVID q eles vendiam e matou tanta gente.

Para mim o mais ridículo momento foi a entrevistadora com cara de pau dizer que a diretriz era “ FIQUE EM CASA SE PUDER “!!!! Como se eles não tivessem feito editoriais defendendo a prisão de comerciantes pobres e tirar velhinhas de praça pública. MENTIROSOS!!

O deputado estadual Coronel Sandro se exaltou: “Bonner e Renata disseram na cara dos brasileiros que a Globo foi a favor do “fique em casa SE PUDER”. Mentiram e debocharam da cara de milhões de brasileiros que perderam seus empregos e fecharam seus comércios sendo impedidos de levar comida para sua família”. 

O promotor Wesley Vaz ironizou: “Ontem, ao perguntar para o presidente da República, a apresentadora Renata disse que a Globo defendia o “fique em casa se puder”. Não sei vocês, mas o “se puder” eu ouvi só ontem! O que eu ouvia era “fique em casa senão será preso” ou “fique em casa senão vai morrer””.

O assessor do presidente, Filipe G. Martins, disse: “Renata Vasconcellos mente e tenta reescrever a história ao dizer que o que a mídia defendia era "fique em casa, SE VOCÊ PUDER". Todo mundo sabe que isso é mentira, mas é de cima de mentiras como essas que ela e William Bonner tentam se vender como guardiões isentos da verdade”.

O ministro de Comunicações, Fábio Faria, perguntou: “As agências de checagem já verificaram se a frase da Renata: “Fique em casa SE PUDER, que a economia a gente vê depois”, era isso mesmo em 2020 ou o “se puder” é a versão 2022?”. 

A escritora Claudia Wild desabafou: “O fraudulento “fique em casa… Se puder” inventado pelos decadentes Bonner & Renata, saiu da mesma cartilha que diz: “Lula é inocente e Alexandre de Moraes segue a Constituição”. Aliás, a ‘entrevista’ do presidente foi só cinismo, deboche e desrespeito. Jornalismo nota zero!”.

O empresário e influenciador Peter Jordan, do canal Ei Nerd, disse: “Teve lockdown, sim! Negar isso é ser negacionista e conspiracionista”.

O ex-secretário de Cultura, Mario Frias, relatou: “Ainda consternado com a cara de pau da Renata em dizer que pregaram o “fique em casa SE PUDER”. As cenas de trabalhadores presos, sendo tratados como bandidos por estarem trabalhando ainda ecoa na minha memória. O cinismo e o deboche dessa senhora me revoltam”.

O investidor Leandro Ruschel questionou: “"Fique em casa se puder"? Desde quando? Pessoas foram até PRESAS por tentar trabalhar. Militância de redação desonesta”.

O deputado estadual Gilberto Silva disse: ““Fique em casa se puder” é a mentira mais deslavada de todos os tempos. A Rede Globo foi a que mais fez campanha para as pessoas ficarem em casa, dizendo que a saúde era mais importante e a “economia a gente vê depois”. Mentirosos contumazes!”.

O escritor Flávio Gordon questionou: “Quer dizer que agora o lema da Globo e do Jornal Nacional  mudou para “fique em casa… se puder”? Era esse também o lema quando a emissora corrupta apoiou o espancamento de comerciantes, a prisão de banhistas e o mata-leão nos idosos nas praças?”

O senador Flavio Bolsonaro disse: “Acabaram de inventar o “fique em casa… se puder”. Inacreditável! Bolsonaro cuidou da população, comprou vacina para quem quis se vacinar, incluindo Bonner e Renata, e evitou o caos no Brasil com os 600 reais aos que não podiam ficar em casa”.

O deputado General Girão apontou: “A inquisição da #GloboLixo não poderia ser mais desastrosa possível. A jornalista verbalizou uma infâmia, contra todos que sofreram com o lockdown. "Fique em casa, SE PUDER". Quando foi posta essa condição aos empresários e ambulantes que foram obrigados a fechar suas portas?”

O jornalista Rafael Fontana lembrou: “A Globo NUNCA disse Fique em casa se puder. NUNCA existiu o "se puder" na frase "Fique em casa".”

O esecialista em segurança pública Fabricio Rebelo pediu: “Alguém poderia colocar um link do "fique em casa se puder"? Até onde lembro, essa condicionante não passa de mais uma deslavada mentira desse circo abjeto que estão chamando de entrevista... E, sejamos francos, que cara de pau!”

O perfil Rafael Balboa Gloves disse: “Esta frase da Renata sugerindo que Globo defendeu o “Fique em casa SE PUDER” foi a fala mais CÍNICA ouvida neste lixo de programa em toda sua história.

O povo sabe a verdade, especialmente quem sofreu com estas medidas absurdas defendidas por muitos. Ela prevalecerá !!!”

O publicitário Luiz Galeazzo disse: “Engraçado, na época da pandemia o povo só ouviu a mídia e os artistas falando "Fique em Casa" e não "Fique em Casa Se Puder", como a Renata disse. E pelo jeito, os policiais também não, senão não teriam batido tanto em quem saiu de casa pra trabalhar”.

O perfil Belinha Opressora disse: “Bom dia a todos,menos para quem não teve a menor empatia com  todos aqueles que perderam seus empregos, suas empresas e seu sustento durante a pandemia. Segundo a Renata Vasconcelos era "fique em casa, SE PUDER", mas só lembro da Maju anunciando: "fique em casa, o choro é livre"”.

Filipe Sabará, ex-Secretário de Desenvolvimento Social de São Paulo, disse: “A #RenataVasconcellosMentirosa mentiu descaradamente dizendo que o “fique em casa” era: “fique em casa se puder”, muito pelo contrário, todo mundo lembra das imagens de pessoas sendo presas em praias e praças, e comerciantes sendo presos por tentarem manter seus negócios abertos!”

O vice-prefeito de Porto Alegre, Ricardo Gomes, ironizou: “Hoje, 22/8/2022, o “Fique em casa, a economia a gente vê depois” virou “fique em casa se puder”. Milhões de brasileiros que perderam o seu sustento devem ter entendido mal o recado da Renata Vasconcellos, da Globo e de mil artistas que não perderam um centavo”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 13 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. 

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...