quarta-feira, 21 de setembro de 2022

Coronel Tadeu enfatiza importância de se informar e de informar os outros: ‘como é que eu vou lutar pela liberdade de um povo que prefere a escravidão?’


Em transmissão ao vivo, o deputado federal Coronel Tadeu alertou sobre a importância de obter informações para decidir sobre o voto. O deputado apontou que muitos não conhecem os riscos do comunismo e repetem narrativas. Coronel Tadeu disse: “Eu tenho falado várias vezes aqui nessas lives que me preocupa aqueles que não conhecem a política, aqueles que aceitam a corrupção. Isso é muito ruim. Aqueles que aceitam a corrupção… vou dizer uma coisa bem sincera para vocês. Eles merecem a escravidão, mesmo. Merecem ser escravizados por um sistema comunista, porque praticamente todo sistema comunista é corrupto. E, num país onde você tem leis lenientes que beneficiam os bandidos - e aqui é nosso caso: olha só onde foi parar o ex-presidiário, candidato a presidente. Eu acredito que não é um povo que tem vocação para ser livre. Um povo que não tem vocação para ter liberdade. E aí acaba sucumbindo e sendo escravo de todo mundo”.

O deputado explicou que essa preocupação já o acompanha há algum tempo. Ele afirmou: “sabemos que o povo brasileiro ainda é muito mal informado. Eu não consigo ficar tranquilo sabendo que tem um monte de gente que vai votar e não sabe nem por que vai votar”. Ele exemplificou com o caso de uma candidata do PT que recebeu o apoio de uma facção criminosa e disse: “então, nós estamos num mato sem cachorro quando boa parte da população não tem esse conhecimento”. Ele questionou: “como é que eu vou lutar pela liberdade de um povo que prefere a escravidão?”. 

O deputado lembrou uma fala de Bismarck, dividindo as pessoas em três grupos: “os que aprendem com os erros dos outros (inteligentes), os que aprendem com os próprios erros (medíocres) e os que não aprendem de jeito nenhum”, e pediu: “aprendam com os erros dos outros - sejam sábios, inteligentes, espertos, malandros”. Coronel Tadeu pediu que os cidadãos observem o que vem acontecendo em países vizinhos que optaram por governos de esquerda e disse: “o que a gente vem fazendo aqui ao longo de tanto tempo é abrir os olhos de vocês. Fazer com que vocês não experimentem o comunismo”. 

Coronel Tadeu disse: Eu, sinceramente, não quero experimentar, eu quero ser livre. Me deixa fazer o que eu quero, respeitando o limite da outra pessoa. Respeitando o direito da outra pessoa, vivendo em harmonia na sociedade. Isso sim é o que eu quero para mim, quero para os meus filhos, quero para os meus netos, quero para as próximas gerações. Mas parece que há um grupo que não entende isso”. O deputado acrescentou: “eu não posso permitir que essas pessoas incorram no erro e me levem para o buraco junto”.

O deputado fez um apelo: “O que a gente precisa é ter pessoas qualificadas para falar para as pessoas não qualificadas por que a gente tem essa luta. Por que é direita contra esquerda? O que é direita? O que é esquerda? O que é o conservadorismo? O que é o socialismo? É essa luta que a gente está travando. Porque, uma vez implantado um regime aqui dentro, vai ficar muito difícil da gente voltar para trás”. Ele deu o exemplo da Argentina, dizendo que o país “dificilmente sai desse buraco”. Coronel Tadeu afirmou: “o povo argentino vai ter que ter uma vontade muito grande para se contrapor ao atual regime e tentar voltar para trás, e mesmo assim vai ter que ter uma ajuda grandiosíssima de alguém de fora para ajudar economicamente a Argentina. Eu não quero ir para aquele buraco onde está a Argentina”.

Muitos brasileiros estão vivendo sob o jugo de uma ditadura, em que seus direitos e garantias fundamentais estão sendo desrespeitados. O país tem presos políticos e pessoas, jornais e sites censurados. A totalidade da renda da Folha Política, e também de outros canais e sites conservadores, está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, em uma decisão que recebeu o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Há mais de 14 meses, toda a renda do nosso trabalho é retida sem qualquer justificativa jurídica.

Se você apoia o trabalho da Folha Política, que há 10 anos mostra os fatos da política brasileira, e pode ajudar o jornal a permanecer em funcionamento, doe qualquer valor através do Pix, usando o QR Code que aparece na tela ou o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem enfrentando a espiral do silêncio imposta pelo cartel midiático que quer controlar a informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...