quarta-feira, 19 de outubro de 2022

Padre Kelmon é intensamente aplaudido ao fazer apelo em apoio a Bolsonaro e se pronuncia


Durante o evento Mulheres com Bolsonaro, em São Paulo, o padre Kelmon, que foi candidato à presidência da República, pediu a união dos cidadãos, apontando a igualdade entre todos. Padre Kelmon disse: “O Brasil é a nossa casa comum. A casa do negro, do branco, do índio, do pobre, do rico. Um país verde e amarelo, que vai permanecer assim. Precisamos, como filhos desta casa, defender esta nação. Além de ser a nossa casa, o Brasil é uma nação cristã. Todos nós, católicos, evangélicos, espíritas. É uma nação cristã que parece estar ameaçada, mas todos precisam se unir para defender o sangue e o suor de missionários e políticos que deram suas vidas para edificar esta nação”

O padre lembrou que o Brasil foi fundado como um país cristão: “Quantos homens e mulheres deram seu sangue e seu suor para a construção dessa nação, unida. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, está ao lado do presidente Jair Bolsonaro nos estados para alertar o povo, unir o povo, defender o nosso legado cristão. Não precisam rasgar a nossa História e querer inventar outra. Foi ali na Bahia, a minha terra. Chegaram as caravelas. Ali, se fincou uma cruz. Ali, celebrou-se uma missa. Os portugueses trouxeram para cá o que temos de mais precioso. Estamos reunidos para defender esse legado: vida, Deus, pátria, família e liberdade”. O padre conclamou: “Esse governo, de Jair Bolsonaro, precisamos manter. Nós vamos reelegê-lo”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 15 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputa a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...