sábado, 29 de outubro de 2022

Senador eleito, Sérgio Moro surpreende e faz veemente pronunciamento contra Lula e em defesa de Bolsonaro


Em pronunciamento veiculado por meio de suas redes sociais, Sérgio Moro, ex-juiz da Lava Jato, ex-ministro da Justiça e senador eleito pelo Paraná, fez uma veemente declaração enfatizando os motivos pelos quais deixou de lado possíveis divergências com o presidente Jair Bolsonaro para repudiar Lula e o PT.

Moro disse: “coloquei de lado, neste momento, as minhas divergências com o presidente Bolsonaro. A prioridade é evitar a volta do Lula e do PT. Seria uma tragédia moral e econômica para o Brasil”. 

O ex-juiz da Lava Jato fez um apelo: “amanhã, diga não ao PT, diga não ao Lula, diga não a essa anulação das condenações, que foi um baita erro judiciário do Supremo Tribunal Federal. Diga não à roubalheira, diga não à corrupção da nossa democracia”.

Sérgio Moro acrescentou: “Diga não, também, ao controle da imprensa, a esse patrulhamento ideológico que o PT faz, transformando os brasileiros que não concordam com o partido em inimigos”. 

O ex-ministro mencionou ainda o apoio a ditaduras e a pauta econômica do partido de Lula. Moro disse: “A gente sabe essa história. A recessão de 2014 a 2016 foi a maior que já houve no Brasil e foi o resultado de políticas econômicas erradas dos governos do PT”. 

Moro afirmou que, no Senado, manterá uma postura de independência, defendendo suas próprias pautas, e acrescentou: “mas agora é aquele momento em que o Brasil precisa de ajuda. E eu peço a vocês que se juntem a mim nessa empreitada, para nós impedirmos a volta do Lula e do PT à presidência da república”.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Há mais de 15 meses, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...