quarta-feira, 16 de novembro de 2022

Senador eleito Magno Malta retruca declaração desrespeitosa de Barroso, do STF, e critica Moraes, Lula, Mendes e Lewandowski


Em pronunciamento ao vivo, o senador eleito Magno Malta proferiu uma resposta impactante a Luís Roberto Barroso, ministro do STF e ex-presidente do TSE, após o ministro se referir de maneira desrespeitosa a um cidadão que lhe fez questionamentos. O ministro declarou: “Perdeu, mané. Não amola”. Tal declaração despertou revolta e indignação nas redes sociais, sendo interpretada como uma demonstração de falta de respeito aos cidadãos e ausência de decoro por parte de um membro da Suprema Corte.

O senador Magno Malta asseverou: “Nossa independência e nossa liberdade estão em jogo neste momento. Fui muito desaconselhado, sou desaconselhado todos os dias. Falam para que eu fique quieto e me cale para que eu não sofra retaliações. Gostaria de comentar a infeliz resposta dada pelo ministro Barroso. O Brasil todo sabe que ele tem diferenças comigo, que eu tenho diferenças com ele. Em nada tenho concordância com as atitudes dele. Nada me assusta vindo do ministro, mas não achei que chegasse a tanto. Um cidadão se aproximar de um ministro da Suprema Corte, que foi presidente do TSE, participei da inquirição desse ministro. A pergunta do brasileiro é até inocente. Ele queria se referir ao fato de as Forças Armadas terem sido convidadas a participar de uma comissão de fiscalização. E, depois, foi desconvidado”.

No ensejo, o senador eleito lamentou: “Era uma pergunta sem pretensões, não foi ofensiva, e o ministro Barroso se vira e diz ‘perdeu, mané’. Gostaria que o mundo entendesse o que o senhor está dizendo. A frase ‘perdeu, mané’, ou ‘perdeu, vagabundo’, é usada por quem rouba. Eles dizem para quem foi roubado, quem perdeu. Quando o senhor chama um cidadão brasileiro de ‘mané’, seria o mesmo de ‘otário’, de ‘vagabundo’? Em sua fala, em sua resposta, muita coisa fica subentendida e muita coisa fica clara. Eu não sou mané, não sou otário. Fica bem para um ministro de tribunal superior? O Brasil está chocado”.

Ademais, o parlamentar eleito fez críticas a outros ministros do STF: “Há um vídeo do ministro Gilmar Mendes dizendo que o PT instalou a cleptocracia no Brasil. Ele dá números dos valores desviados, de quantas eleições eles poderiam ganhar. Lewandowski rasgou a Constituição no Senado. É verdade, ele deu a Dilma direitos políticos, mesmo com o impeachment. Houve uma violação constitucional. Ao ministro Alexandre de Moraes, quando o sabatinei, fiz as perguntas, e parece que eram pertinentes. Parece que eu sabia o que iria acontecer. Nesta reunião, também estava o Doria, este rapaz que foi abraçado pelo Alckmin e, depois, não sei se foi combinado, afastou o Alckmin e usou o nome do Bolsonaro para se eleger”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 16 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputou a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...