sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

Deputado Éder Mauro aponta culpados por excessos de Moraes: ‘Atrocidades! O Senado é outro e está covarde perante o povo brasileiro’


O deputado federal Éder Mauro participou da audiência pública do Senado que debateu as perseguições políticas no âmbito das eleições de 2022, e apontou a culpa das duas Casas do Congresso Nacional para que a situação chegasse ao estado atual. O deputado apontou que os abusos foram progressivamente aceitos em uma longa sequência de erros, em que o Congresso Nacional se omitiu a cada passo. 

O deputado lembrou a descondenação de Lula, a CPI da pandemia com apoio da velha imprensa, as pesquisas eleitorais sem conexão com a realidade, a usurpação de poderes por parte de ministros do STF, e a subserviência dos presidentes das Casas Legislativas e de presidentes de partido. 

Éder Mauro questionou: “É isto que cada um de nós vai ter que dizer ao seu filho: que roubar compensa neste país?”. O deputado acrescentou: 

“Agora, meu amigo Senador Girão, existem culpados; culpados como lá na Câmara Federal, quando, lá atrás, se postou de quatro e autorizou o Supremo a prender o Deputado Daniel – e esta culpa eu não carrego comigo. Eu poderei dizer para o meu filho e para a minha neta que isso eu não cometi, essa injustiça. Não obedeci ordem de dono de partido porque deve no Supremo. E eu vou dizer e me dirigir a vocês: o Senado é outro e está covarde perante o povo brasileiro, com as suas exceções. E não tenho o menor receio de dizer que o Senado, na figura principalmente do Presidente desta Casa, que cruza os braços, vê o trem passar com todas as atrocidades que estão passando e vira a cara para mais de 200 milhões de brasileiros”.

O deputado fez um apelo aos senadores: “só vocês, de forma institucional, têm o poder, têm o dever, até por consciência, de tomar providência, e até agora não tomaram. E não espero que vocês repassem isso para os filhos do Brasil, e deem o sangue e deem sua vida para retomar o Brasil e retomar a democracia, porque eu não quero que nenhum de vocês, com as suas exceções, tenham que dizer para o seu filho, tenham que dizer para o seu neto: ‘Eu fiz parte e votei contra e não tomei nenhuma providência para que essas atrocidades estejam acontecendo’".

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Há mais de 17 meses, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...