quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Deputado José Medeiros retruca ‘faraó’ Alexandre de Moraes: ‘Censor-geral da República. A nuvem pode tapar o sol por um tempo, mas o sol vai brilhar’


Em pronunciamento no plenário da Câmara dos Deputados, o deputado federal José Medeiros, aliado do presidente Jair Bolsonaro, protestou diante da emergência de um poder absoluto que tolhe e amordaça os direitos dos cidadãos, impondo um sistema ditatorial, violando a Constituição Federal e cerceando a liberdade do povo brasileiro.

O parlamentar pontuou: “O Brasil está na mão de um único poder absoluto, e faz tempo. Ele só mostrou um pouco mais as garras. Talvez tenha sido muito importante esse momento, para que se tenha sacudido a moita e eles tenham mostrado que não têm nenhum apreço pela Constituição brasileira, por liberdade e pelo respeito às leis. As leis são o que eles entenderem que são. E, neste momento, isso se mostra principalmente nas ações de três Ministros, e o principal deles é o Ministro Alexandre de Moraes”

Medeiros criticou, ademais, medidas tomadas contra caminhoneiros e manifestantes: “Ontem, foram confiscados 147 caminhões, material de trabalho caríssimo. Eu digo confiscado, porque os donos desses caminhões foram multados, suas contas bloqueadas e os caminhões estão proibidos de trafegar. Isso é uma sanha autoritária que eu não sei aonde vai parar. Parlamentares no Senado têm tido cerceamento na sua liberdade de se expressar. Aqui, Parlamentares também”.

O parlamentar ponderou: ‘Mas não há mal que dure para sempre. O Ministro Alexandre, eu tenho dito aqui, é entendedor, ele não está fazendo isso na ignorância. Ele há de saber que a nuvem pode tapar o sol por um tempo, mas o sol vai brilhar em algum momento e na primavera as flores vão florir. Nossas contas estão bloqueadas, mas eu vou continuar aqui defendendo a liberdade de expressão de todos. É um absurdo que nesse tempo a gente tenha que vir defender imunidade, direitos básicos de uma sociedade”.

Neste contexto, o parlamentar elogiou o deputado federal Otoni de Paula, que conseguiu se reeleger mesmo tendo suas redes sociais bloqueadas a mando de Moraes há mais de um ano. Nesta esteira, o congressista frisou que o Brasil já vive um estado de ruptura, qualificando Moraes como um “faraó” e o “censor-geral da República”: “Eu posso dizer com certeza que nós estamos num estado de ruptura, num estado de exceção. A lei está corrompida e, com ela, como dizia Bastiat, os seus poderes de polícia. Eu estou olhando para ele — essa força da natureza. Está há mais de ano e disputou as eleições sem suas redes sociais. Por que o Deputado Otoni de Paula disputou sem suas redes sociais? Porque ele desgostou o ‘censor-geral’ da República. Ele não falou o que era agradável aos ouvidos do nosso faraó, o Ministro Alexandre de Moraes. Percebem o absurdo que nós estamos vivendo? Nós não temos mais liberdade”.

O congressista criticou, ademais, a mais recente prisão ordenada pelo ministro do STF: “E agora nós vemos o seguinte: ontem praticamente foi sequestrado, foi preso um empresário do Estado de Mato Grosso — aliás, Mato Grosso está vítima desse processo de exceção —, o Milton Baldin, porque simplesmente convidou as pessoas a se manifestarem. Manifestar-se não é crime, Sr. Alexandre de Moraes!”.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Há mais de 17 meses, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...