sábado, 31 de dezembro de 2022

General Mourão concita cidadãos a lutarem pela manutenção da democracia e por oposição a Lula: ‘fé e certeza de que nossos representantes eleitos farão dura oposição ao projeto progressista’


O presidente em exercício, general Hamilton Mourão, fez um pronunciamento ao vivo em rede nacional com votos de feliz ano novo aos cidadãos. O presidente em exercício lembrou que o governo Bolsonaro, ao longo de quatro anos, fez entregas significativas e amparou os brasileiros durante a pandemia, assim como para lidar com as consequências econômicas da crise sanitária e da guerra da Ucrânia. 

O general Mourão dirigiu-se aos apoiadores do governo, afirmando acreditar que haverá uma oposição ao governo eleito e pedindo que o povo lute por democracia. Mourão disse: “Desejo concitá-los a lutar pela preservação da democracia, dos nossos valores, do estado de direito e pela consolidação de uma economia liberal, forte, autônoma e pragmática e que, nos últimos tempos, foi tão vilipendiada e sabotada por representantes dos três poderes da República, pouco identificados com o desafio da promoção do bem comum”.

O presidente em exercício afirmou: “A falta de confiança de parcela significativa da sociedade nas principais instituições públicas decorre da abstenção intencional desses entes no fiel cumprimento dos imperativos constitucionais, gerando a equivocada canalização de aspirações e expectativas para outros atores públicos, que no regime vigente, carecem de lastro legal para o saneamento do desequilíbrio institucional em curso”. 

Mourão afirmou: “a partir do dia 1º de janeiro de 2023, mudaremos de governo, mas não de regime. Manteremos nosso caráter democrático, com poderes equilibrados e harmônicos

buscando sempre maior transparência e confiabilidade”. Ele pediu: “Tranquilizemo-nos. Retornemos à normalidade da vida, aos nossos afazeres e ao concerto de nossos lares, com fé e com a certeza de que nossos representantes eleitos farão dura oposição ao projeto progressista do governo de turno, sem, contudo, promover oposição ao Brasil”.

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de 17 meses, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...