segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

Marcel van Hattem alerta para 'anulação da oposição a Lula' e destruição proposta pelo petista em PEC


Da tribuna da Câmara, o deputado federal reeleito Marcel Van Hattem questionou onde está a oposição ao futuro governo Lula. O deputado disse: “Qual é o espaço, de fato, da Oposição no Parlamento? A pergunta é sincera, é uma pergunta direcionada sobretudo para aqueles, repito, que estavam na última eleição levando a mensagem aos seus eleitores de que eram — eu ia dizer "são", mas estou dizendo "eram" — oposição a Lula e ao PT. O que será que vai acontecer nos próximos 4 anos? Já se está anulando o conceito de oposição antes de iniciado o mandato”. 

Van Hattem alertou que, enquanto os deputados não se organizam, o PT articula uma PEC que vai retirar poderes do Congresso: “Estou chamando de PEC argentina a PEC que, dizem, é a da transição. Outros a chamam de PEC da gastança, da exorbitância. Essa PEC, protocolada no Senado, retira do Parlamento, durante 4 anos, grande parte do seu poder de definir os rumos do Orçamento. Sinceramente, eu não vejo grande oposição articulada, porque, no caso dessa PEC, reduzir de 4 anos para 2 ou para 1 ano ou de 200 bilhões para 85 bilhões é continuar admitindo a aprovação de uma proposta de emenda à Constituição que vai valer para a próxima legislatura, cujos integrantes ainda não tomaram posse, usurpando dela os seus poderes de determinar o que vai acontecer com o Orçamento. Isso é muito, muito, muito grave!”.

O deputado criticou: “O que o PT está fazendo neste período de transição é um ataque ao Parlamento, ao Congresso Nacional, ao poder de decidir os rumos do Orçamento. Mas me parece que todos agora, da Direita à Esquerda, estão contemporizando, aceitando, ainda que não seja a PEC original, parte dela, em troca disto que muitos criticavam e agora todos querem o direito de usufruir: a tal da emenda de Relator”. Ele acrescentou: “É impressionante perceber o silêncio dos colegas Parlamentares, que, me parece, já estão contentes com a participação no butim do Orçamento da República, em troca da aprovação de uma PEC que diz que é para ajudar os mais pobres, mas vai prejudicar os pobres e o País como um todo, com mais recessão econômica, com mais gastos públicos fora do teto, sem responsabilidade fiscal, sem compromisso com reforma alguma”. 

Van Hattem alertou: “Anotem o que estou dizendo: seguindo nesse rumo, o PT não precisa fazer mais nada para governar de forma totalitária neste País, com o Poder Judiciário a seu lado, e o Poder Legislativo já há tempo acovardado e subjugado”. Ele afirmou: “Triste situação de nosso País. Mas ainda há tempo para acordar, para despertar, porque, numa verdadeira democracia, sempre haverá governo e oposição. Um país sem oposição é um país sem democracia”. 

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 17 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputou a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...