quarta-feira, 28 de dezembro de 2022

Ministro de Bolsonaro lamenta aumento dos combustíveis: ‘É uma escolha do novo governo’


O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, divulgou, pelas redes sociais, um vídeo explicando que, por determinação da equipe de Lula, não poderá editar uma Medida Provisória para prorrogar a isenção de impostos sobre combustíveis, o que levará a um aumento dos preços já a partir do dia primeiro de janeiro. 

Sachsida apontou: “a gasolina tem potencial para aumentar 90 centavos, o diesel, 33 centavos, e o etanol, 24 centavos, logo de cara. É uma escolha do novo governo”. Ele explicou: “o novo governo optou por um modelo de mais gasto público - é a PEC da gastança. Como o gasto está muito, tem que arrecadar muito. Então, tem que aumentar a arrecadação”. 

O ministro comparou: “O  nosso governo, o governo liberal do presidente Jair Bolsonaro, optou por menos gastos públicos, menos tributos, e com isso você tem mais investimento privado, mais emprego e renda para a população brasileira”. 

Sachsida lamentou: “O novo governo, o governo do Lula e do PT, optaram por mais gasto público e mais tributo. Ou seja: é o motorista de Uber, é o caminhoneiro, é a dona de casa, cada um pagando mais impostos. Já começa a pagar mais caro o combustível. Para quê? Para financiar a gastança do governo federal. É triste isso. Mas… fazer o quê? Fiquem com Deus”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 17 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputou a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...