terça-feira, 20 de dezembro de 2022

Príncipe Luiz Philippe aponta ‘sociedade em convulsão’ e risco de fechamento do Congresso: ‘Mancomunados, lodaçal, nefasto’


Da tribuna da Câmara, o deputado Luiz Philippe de Orléans e Bragança propôs aos colegas uma reflexão sobre o papel do Legislativo. O deputado apontou que uma parcela expressiva da população não vê sentido em sustentar os deputados, já que, por motivos diversos, considera que os parlamentares não vêm correspondendo às expectativas e se omitem em seus papéis. 

O deputado disse: “Uma parcela quer fechar o Congresso, porque o Congresso está se omitindo contra o ativismo judicial. E, obviamente, uma outra parcela do eleitorado também está vendo o Congresso como um estorvo, porque não é favorável ao futuro governo. Então, esses também se unem a essas forças que querem fechar o Congresso. E aí nós ficamos aqui nesse dilema sobre o que fazer. E por que o Congresso não faz? Essa é que é a grande questão. Por que o Congresso não faz?”.

O deputado apontou que, enquanto em democracias sólidas o parlamento é valorizado e assume seu papel central, no Brasil ocorre o contrário. Ele disse: “Temos Líderes que são eleitos por nós mesmos, que vendem este Poder, negociam este Poder, por vezes com o Executivo, por vezes com o Judiciário, e o Congresso Nacional deixa de ser soberano, autônomo, vende-se à demagogia do momento, não encapsula e "comportamentaliza" a real discussão da sociedade brasileira que deveria ser travada aqui, decidida aqui. Não. É completamente subjugada pelas vicissitudes, seja de um lado ou de outro, que ocupe o Poder no momento. Isso não pode mais acontecer”. 

Luiz Philippe pediu aos deputados eleitos que escolham presidentes das Casas que saibam se elevar ao nível do cargo, e disse: “existe extrema qualidade no corpo jurídico da Câmara dos Deputados, assim como existe no Senado Federal, mas essas vozes simplesmente não sobem, porque os seus presidentes são eleitos por uma maioria que quer ver recurso público nos seus bolsos para que garanta as suas eleições. É raso. Isso é medíocre. Isso nos condena ao lodaçal dos países que nunca se tornarão países desenvolvidos”.

O deputado mostrou como os atuais presidentes deixam a desejar, dizendo: “qual é o exemplo que o Presidente Arthur Lira e o Presidente Rodrigo Pacheco estão dando neste momento? A sociedade em convulsão. E o que eles fazem? Mais do mesmo: vendem este Poder. Estão negociando com um lado ou com o outro, depende de quem gritar mais no momento. Isso não é bom para este Congresso Nacional. Isso não é bom para o Brasil. Isso não é bom para o povo brasileiro”.

Luiz Philippe pediu: “Temos que convencer aos novos Deputados a eleger novos Líderes da Câmara dos Deputados, novos Líderes do Senado Federal que não estejam mancomunados com esse comportamento nefasto que tem nos condenado ao lodaçal”. 

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar a empresa. Há mais de 17 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputou a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...