segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

Coronel Tadeu explica bastidores da exoneração do Comandante do Exército por Lula


Em pronunciamento ao vivo, o deputado federal Coronel Tadeu abordou o recente conflito de Lula com o General Arruda, comandante do Exército que acaba de ser exonerado pelo presidente da República. 

O deputado relatou: “O povo brasileiro tem de lutar contra o Comunismo. Li uma reportagem contando os bastidores do porquê da demissão do General Arruda e do chamamento do General Tomás para ser Comandante do Exército. Dizem que a causa disso tudo foi o Coronel Cid, que era ajudante de ordens do presidente Jair Bolsonaro”. Coronel Tadeu explicou que havia demandas do governo Lula para punir o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro e disse: “No militarismo, não é como no mundo civil. As peças precisam se encaixar direitinho. Tem 50 peças e 50 posições. Você precisa enquadrar cada uma. Se tem o Quadro Operacional, tem 40 generais, um aqui, outro ali. ‘Ah, quero colocar um lá’. Não pode. Desde o mais alto ao mais baixo, cada um tem de estar encaixado em um lugar”

Coronel Tadeu esclareceu: “O Coronel Cid tinha que ser destacado para um batalhão, pois é coronel. Não pode ficar no ar, sem fazer nada, tem que dar uma missão para ele. Deram a missão de comandar o primeiro batalhão de ações de comando, em Goiás. Ele foi designado. O Lula se invocou e deu uma ordem para tirarem ele de lá. O General Arruda não gostou e falou que ele ficaria lá. Parece que falaram: ‘Já que ele trabalhou com o Bolsonaro, não dá para dar uma vassoura, uma pá, para ele varrer o chão?’. Responderam: não, não vou tirar ele não. Por isso, veio a ordem e o General Arruda teve de sair. Ele foi firme, ele é o comandante do Exército, sabe onde tem de colocar os homens”

O deputado disse: “A questão é política, azedou o caldo e teve de ser substituído. Combateu o bom combate, encerrou a carreira e guardou a fé. Agora, o General Arruda deve ir para a reserva e cuidar da vida. Ele está certo. Se fosse para ter ingerência política no Exército, melhor sair”.

A ditadura da toga segue firme. O Brasil tem hoje presos políticos e jornais, parlamentares e influenciadores censurados. A Folha Política tem toda sua receita gerada desde 1º de julho de 2021 confiscada por uma ‘canetada’ do ministro Luis Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com o aplauso e o respaldo dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Além disso, todas as receitas futuras do jornal obtidas por meio do Youtube estão previamente bloqueadas. Há mais de 18 meses, todos os rendimentos do jornal estão sendo retidos sem justificativa jurídica. 

Anteriormente, a Folha Política teve sua sede invadida e TODOS os seus equipamentos apreendidos, a mando do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, a equipe continuou trabalhando como sempre, de domingo a domingo, dia ou noite, para trazer informação sobre os três poderes e romper a espiral do silêncio imposta pela velha imprensa, levando informação de qualidade para todos os cidadãos e defendendo os valores, as pessoas e os fatos excluídos pelo mainstream, como o conservadorismo e as propostas de cidadãos e políticos de direita.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado pela ausência de recursos para manter sua estrutura, cumprir seus compromissos financeiros e pagar seus colaboradores, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

A Folha Política atua quebrando barreiras do monopólio da informação há 10 anos e, com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...