quarta-feira, 11 de janeiro de 2023

Deltan Dallagnol faz grave alerta sobre mecanismos de repressão e controle criados por Lula: ‘ferem de morte nossa democracia’


O ex-coordenador da força-tarefa Lava Jato, Deltan Dallagnol, eleito deputado, publicou um longo texto pelas redes sociais alertando sobre a criação de mecanismos de controle e repressão política no governo Lula. Dallagnol lembrou o livro “1984”, de George Orwell, e apontou: “O governo Lula parece ter se inspirado no livro para criar, na última semana, um órgão de controle da verdade”.

O deputado eleito explicou a ilegalidade na criação dos órgãos por decreto e também na própria função, que é essencialmente contrária à democracia. Dallagnol alertou: “Essa “defesa da democracia” a sufoca e mata, ao suprimir a liberdade de expressão e a livre oposição”. 

Deltan Dallagnol explicou: “No melhor dos cenários, se esses órgãos não forem usados para perseguir adversários políticos, sua mera existência gera autocensura e “chilling effect”, por medo de represálias. Coíbem e calam a oposição. Ferem de morte nossa democracia. O Estado jamais deve ter o poder de impor sua verdade e condenar vozes destoantes. Discursos de proteção da democracia não devem justificar o emprego de armas que a asfixiam. Nas democracias, é a ampla liberdade de expressão, e não a censura, que assegura o combate à desinformação”. 

Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro e pessoas que apenas têm um discurso diferente do imposto pelo cartel midiático vêm sendo perseguidos, em especial pelo Judiciário. Além dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, também o ex-corregedor do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, criou seu próprio inquérito administrativo, e ordenou o confisco da renda de sites e canais conservadores, como Bárbara, do canal Te Atualizei, e a Folha Política. Toda a receita gerada pelo nosso jornal desde 1º de julho de 2021 está bloqueada por ordem do TSE, com aplauso dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. Há mais de 18 meses, toda a renda do nosso trabalho vem sendo retida, sem qualquer previsão legal. 

Sem a possibilidade de receber a renda de seu trabalho, o jornal corre o risco de fechar. Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar, use o QR Code que está visível na tela para doar qualquer quantia, ou use o código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política faz a cobertura da política brasileira, mostrando atos, pronunciamentos e eventos dos três poderes, quebrando a espiral do silêncio imposta pelo cartel de mídia que quer o monopólio da informação. Pix: ajude@folhapolitica.org

Ouça a íntegra do texto publicado pelo deputado eleito Deltan Dallagnol: 

No romance “1984” de George Orwell, o Ministério da Verdade é o órgão responsável pela máquina de propaganda do governo totalitário e se ocupa das notícias, entretenimento e  educação.

O clássico retrata uma distopia em que o governo controla todos, ditando qual é a verdade: tudo sempre deve condizer com o que o Partido diz ser verdadeiro. O governo Lula parece ter se inspirado no livro para criar, na última semana, um órgão de controle da verdade.

Lula criou, por meio de decreto, nova estrutura dentro da Advocacia Geral da União: a Procuradoria Nacional de Defesa da Democracia. Sua função será combater as fake news.

Além disso, criou a Secretaria de Políticas (ou seriam Polícias?) Digitais na Secretaria de Comunicação Social, que será dividida entre Departamento de Promoção da Liberdade de Expressão e o Departamento de Direitos na Rede e Educação Midiática.

Todos os cargos dos novos paladinos da verdade são cargos políticos de indicação de Lula. 

Caberá à Secretaria de Políticas Digitais “Formular e implementar políticas públicas para promoção da liberdade de expressão, do acesso à informação e de enfrentamento à desinformação e ao discurso de ódio na Internet, em articulação com o Ministério da Justiça.” Ao criar a nova Procuradoria da Verdade (decreto 11.328/2023), Lula não explica que critérios serão usados para definir o que é uma informação válida e o que é fake news. 

Não explica também qual a metodologia de trabalho e de monitoramento da informação.

Qualquer semelhança com “1984” não é mera coincidência, mas um assustador alerta. 

É evidente que as duas novas pastas são complementares.

A SECOM monitorará as redes sociais e a própria imprensa colaborando com a Procuradoria de Defesa da Democracia para agir contra o que quer que considerarem fake news. A Procuradoria da Verdade poderá ser usada para buscar a punição de quem ousar criticar políticos aliados.

Não há um texto legal que defina o que é desinformação. Quem dirá o que é verdade e o que é mentira? Quem negou Mensalão e Petrolão editará a verdade na imprensa e nas redes?

Se alguém disser que a Venezuela é uma ditadura, estará criando desinformação para um governo que nega essa realidade? 

A AGU define desinformação como mentira voluntária, dolosa, com o objetivo claro de prejudicar a correta execução das políticas públicas com prejuízo à sociedade e com o objetivo de promover ataques deliberados aos membros dos Poderes com mentiras que efetivamente embaracem o exercício de suas funções públicas.

Se é assim, denunciar a corrupção do presidente ou de ministros poderá ser enquadrado como desinformação e censurado pela AGU.

É no mínimo absurdo que um governo possa censurar críticas a suas políticas públicas qualificando-as como desinformação. 

Essa “defesa da democracia” a sufoca e mata, ao suprimir a liberdade de expressão e a livre oposição. É curioso que essa pasta tenha sido criada na AGU porque ela defende a União.

Caso se permita que um advogado da União defina o que é verdade, os fatos serão interpretados - ou distorcidos- sempre em favor do cliente. 

No melhor dos cenários, se esses órgãos não forem usados para perseguir adversários políticos, sua mera existência gera autocensura e “chilling effect”, por medo de represálias. Coíbem e calam a oposição. Ferem de morte nossa democracia. O Estado jamais deve ter o poder de impor sua verdade e condenar vozes destoantes.

Discursos de proteção da democracia não devem justificar o emprego de armas que a asfixiam. 

Nas democracias, é a ampla liberdade de expressão, e não a censura, que assegura o combate à desinformação. Um exemplo disso é o caso chinês.

O governo da China perseguiu e calou aqueles que antecipadamente denunciaram a amplitude e os riscos da Pandemia. Por ter controle da mídia e do que é considerado verdade, o mundo descobriu a realidade tarde demais.

Thomas Jefferson bem ressaltou que o preço da liberdade é a eterna vigilância. 

Sejamos guardiões da democracia, protestando contra a ameaça de mordaça que o Governo do PT tenta colocar sobre o nosso país.


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...