segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

Senador Plínio, deputado Sanderson e parlamentares combatem ‘insanidade sem precedentes de Lula’


O deputado Sanderson, em vídeo divulgado pelas redes sociais, criticou a proposta do governo Lula de discutir uma moeda única com a Argentina, e enfatizou a importância de uma oposição organizada no Congresso para impedir o que chamou de “insanidade sem precedentes que não dá para admitir” da equipe de Lula. O deputado disse: “quer dizer que Lula quer os brasileiros trabalhando e produzindo pra pagar as contas da Argentina, Venezuela, Cuba? Vamos com tudo para, numa oposição firme, aguerrida e inteligente, barrar essa palhaçada e outras insanidades desse parvo metido a esperto!”

No vídeo, o deputado apontou: “O Brasil e os brasileiros não vão trabalhar, não vão produzir para pagar conta para os argentinos, ou para a Venezuela, ou para Cuba, ou para a Nicarágua. Entregamos um país forte, pujante, com as contas equilibradas, enquanto que a Argentina é o contrário: totalmente desequilibrada, com 95% de inflação, investidores fugindo, desemprego recorde, 40% da população argentina na miséria, tudo por conta de uma gestão esquerdista, deletéria, que, onde exerce poder, destrói tudo à sua volta”. 

Em postagem nas redes sociais, o deputado disse: “só mesmo um entreguista como Lula pra querer moeda única com Argentina, um país atolado em dívidas, inflação galopante, com fuga de investimentos e metade da população na miséria. Mais uma fatura que o vendilhão precisa pagar pelo apoio que recebeu enquanto preso por corrupção. Isso tudo foi avisado. Agora é buscar barrar no Congresso essa e outras tantas covardias que vão querer impor goela abaixo”.

O deputado Coronel Tadeu também comentou o tema. Ele comparou com a criação do euro, na comunidade europeia, e explicou que, para a criação do euro, era uma condição necessária que as economias dos países estivessem no mesmo estágio. Tadeu explicou que não é o caso de Brasil e Argentina, que estão em condições econômicas muito diferentes. Ele ironizou: “é uma moeda socialista que não vai dar certo para o Brasil”. E acrescentou: “não vai dar certo e nós vamos ficar com essa conta”. 

Outros parlamentares e cidadãos se manifestaram pelas redes sociais. 

O deputado Junio Amaral disse: “Lula querer ter uma moeda única com um país economicamente destruído, sem credibilidade, que não honra suas dívidas e com uma das maiores inflações do mundo, é querer fazer o que o comunismo faz de melhor, nivelar todos por baixo, na miséria”.

Delegado Francischini, secretário no Governo do Paraná e ex-deputado, afirmou: “O tal “Foro de São Paulo” já falava há muitos anos de uma América do Sul totalmente socialista/comunista. A unidade de moeda era um dos pressupostos! Querem fugir dos controles de lavagem de dinheiro e ocultação de capitais vindos de Corrupção! Agora é só assistir e fazer o “L”!”

O presidente do Novo, Eduardo Ribeiro, disse: “Essa história mirabolante de moeda comum entre Brasil e Argentina é só propaganda política pro Alberto Fernández. De tão absurda, nem deveria ser levada a sério. Enquanto isso, a equipe econômica do Lula ainda não apresentou sequer o esboço de um projeto minimamente viável”.

O ex-ministro Ricardo Vélez disse: “Concordo com o Senador Moro: moeda única com a Argentina é comprar passagem no trem expresso rumo ao abismo. Essa decisão revela a absoluta incapacidade de Lula e do PT, para formularem uma política econômica séria, que beneficie ao Brasil”.

O deputado Gilberto Silva apontou: “Moeda única na América do Sul não irá ajudar em nada a nossa economia, irá prejudicar o nosso país, iremos lutar muito como parlamentar para evitar esse grande equívoco do governo do DEScondenado Lula e sua trupe”.

O senador Plínio Valério lembrou: “Não por acaso agora, quando se fala em moeda comum com a Argentina, o governo Lula intensifica ataques à autonomia do Banco Central. Pela Constituição, só o Banco Central decide sobre emissão de moeda. Autônomo e técnico, o BC  nunca aceitaria aventura com o país que logo terá inflação de 100% ao ano”.

O deputado Daniel Freitas disse: “Lula, em discurso proferido há pouco na Argentina, elogiou a economia dos vizinhos. Claro que o fato de eles terem terminado o ano com inflação a 95% ficou só na lembrança. Peso muerto seria um bom nome pra insanidade da moeda única”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar o jornal. Há mais de 18 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputou a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...