domingo, 8 de janeiro de 2023

URGENTE: Senadores se pronunciam e Lula decreta intervenção federal no DF após invasões a prédios dos três poderes


O presidente Lula anunciou que decretou uma intervenção federal no Distrito Federal após prédios dos três poderes serem invadidos no mesmo dia, em um evento com muitas características de uma “false flag”. 

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou: 

"Conversei há pouco, por telefone, com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, com quem venho mantendo contato permanente. O governador me informou que está concentrando os esforços de todo o aparato policial no sentido de controlar a situação.

Na ação, estão empenhadas as forças de segurança do Distrito Federal, além da Polícia Legislativa do Congresso.  Repudio veementemente esses atos antidemocráticos, que devem sofrer o rigor da lei com urgência".

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse, pelas redes sociais: “O Congresso Nacional jamais negou voz a quem queira se manifestar pacificamente. Mas nunca dará espaço para a baderna, a destruição e vandalismo”.

A advogada Fabiana Barroso respondeu: “Com todo respeito, negou voz aos próprios parlamentares, o artigo 53 da CF foi quebrado e o Senhor sabe disso”.

Segundo a Agência Brasil, o procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou a imediata abertura de inquérito criminal para responsabilizar os envolvidos na invasão aos prédios dos Três Poderes em Brasília.

Uma nota da Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que Aras acompanha com "preocupação os atos de vandalismo a edifícios públicos que ocorrem em Brasília", “mantém contato permanente com as autoridades e tem adotado as iniciativas que competem à instituição para impedir a sequência de atos de violência".

O senador Eduardo Girão disse: “UM ERRO NÃO JUSTIFICA UM OUTRO! A insatisfação de brasileiros com TSE-STF sobre abusos à nossa Constituição + início calamitoso do Governo Lula é legítima, via manifestações ordeiras e pacíficas. Nunca violentas! Senado, ainda omisso, tem o dever de agir para voltarmos a ter democracia. Paz & Bem”

O empresário Marcelo Carvalho, dono da RedeTV!, comentou: “Manifestação corretíssima do senador Eduardo Girão. Nada justifica a violência, a depredação, a agressão a policiais. O Foro da mudança é o PLENÁRIO”.

A deputada Adriana Ventura disse: “Como dizem os mais velhos: quer ser ouvido, fale baixinho. Violência, quebra-quebra, invasão e qualquer manifestação violenta não passa a mensagem. Ao contrário, dá munição para respostas endurecidas e mais rígidas. A intolerância só gera mais intolerância. Muito ruim”.

O procurador Marcelo Rocha Monteiro publicou um print de um vídeo com a invasão ao gabinete do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, e disse: “O procurador de Justiça e comentarista Fernando Capez, comentando a cena abaixo, pondera que já estamos acostumados a ver críticas veementes contra autoridades do Executivo e do Legislativo (que afinal, acrescento eu, são poderes POLÍTICOS). Mas (prossegue Capez) quando o alvo de hostilidades dessa natureza é um TRIBUNAL, ou seja, um órgão do Poder JUDICIÁRIO sendo colocado em xeque, é hora de refletir sobre esse fenômeno, que afeta a credibilidade das decisões do próprio Judiciário. Credibilidade é fundamental”.

O presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, divulgou um vídeo repudiando os atos de vandalismo e lembrando que o povo brasileiro vem se manifestando pacificamente há anos. 

O senador eleito Rogério Marinho afirmou: “Repudio os atos de vandalismo em Brasília. A democracia não admite a depredação e a barbárie. Essas ações terminam justificando o injustificável, ou seja, causarão o recrudescimento de medidas excepcionais que relativizam a constituição e atacam liberdades individuais. Os autores dessa depredação e invasão de prédios públicos devem ser responsabilizados, para que não se confunda a ação de radicais com a ampla maioria de brasileiros que não votaram no PT e estão irresignados e insatisfeitos, porém se mantém dentro da lei. Como direita e conservadores sempre nos opusemos a essas práticas. Impedir o direito de ir e vir, depredar patrimônio público ou privado são crimes e têm que ser tratados como tal. As invasões enfraquecem a oposição e tiram a razão de quem está legitimamente indignado. Manifestações pacíficas como vinham ocorrendo até agora são bem-vindas e fazem parte do jogo democrático. A violência é condenável. Os autores dessas invasões conseguirão o contrário do que pretendem”.

O deputado Paulo Eduardo Martins disse: “Há tempos eu alerto que isso tudo não terminaria bem. Quem acompanhou meu trabalho na Câmara ou na imprensa sabe disso. Era só respeitar a Constituição. A repressão que virá agora será tão brutal que fará Getúlio Vargas parecer a Ayn Rand. Parabéns, Rodrigo Pacheco. Você conseguiu”. Após o anúncio de Lula, o deputado disse: “Lula acaba de anunciar a decretação de intervenção federal no Distrito Federal. Que Deus tenha misericórdia desta nação”.

Há 10 anos, a Folha Política atua noticiando fatos, discursos, argumentos e denúncias que são obliteradas pela velha imprensa. Nosso veículo de imprensa dá voz às vozes conservadoras, ao anticomunismo, à defesa dos direitos fundamentais e da liberdade de expressão e de imprensa, além de trazer ao público os vídeos dos pronunciamentos de autoridades para que o público possa formar sua própria opinião sobre o que foi dito e não precise depender de relatos de terceiros. 

Quem controla a informação controla, em última instância, a realidade. Grupos monopolísticos e cartéis que se associam com o intuito de barrar informações contrárias ou inconvenientes atuam em conluio com a finalidade de aniquilar qualquer mídia independente, eliminando o contraditório e a possibilidade de um debate público amplo, honesto, abrangendo todos os feixes e singularidades dos mais diversos espectros políticos. Controlando as informações, o cartel midiático brasileiro tenta excluir do debate e, em última instância, da vida pública, os conservadores e os veículos que dão voz a essas pessoas. 

A renda da Folha Política está sendo confiscada a mando do ministro Luís Felipe Salomão, ex-corregedor do TSE, com respaldo e apoio de Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin. A decisão confisca, de forma indiscriminada, todas as receitas advindas do Youtube, indicando claramente que a intenção não é a de excluir conteúdos específicos, mas sim de calar o canal e eliminar o jornal. Há mais de 18 meses, toda a nossa renda é retida, sem qualquer justificativa jurídica. O atual corregedor, Benedito Gonçalves, impôs novas restrições ao canal, a pedido da coligação de esquerda que disputou a eleição.

Se você apoia o trabalho da Folha Política e pode ajudar a evitar que o jornal seja fechado, doe por meio do PIX cujo QR Code está visível na tela ou por meio do código ajude@folhapolitica.org. Caso não utilize PIX, há a opção de transferência bancária para a conta da empresa Raposo Fernandes disponível na descrição deste vídeo e no comentário fixado no topo.

Há 10 anos, a Folha Política vem mostrando a realidade da política brasileira e quebrando barreiras do monopólio da informação. Com a sua ajuda, poderá se manter firme e continuar a exercer o seu trabalho. PIX: ajude@folhapolitica.org


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...